Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Robô ‘Chita’, desenvolvido nos EUA, bate recorde de velocidade

A agência de pesquisas do Pentágono, sede do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criou o robô terrestre mais rápido já desenvolvido, chamado ‘Chita’, capaz de correr a uma velocidade de 29 km/h, anunciaram cientistas esta semana.

Sem cabeça e do tamanho de um cachorro pequeno, o robô aparece praticando exercícios em uma esteira em fotos e vídeos divulgados na segunda-feira pela Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA, na sigla em inglês).

“Os movimentos do robô foram modelados para imitar animais velozes na natureza”, informou a DARPA em um comunicado.

“O robô aumenta a velocidade de corrida mediante a flexão e a inflexão de suas costas em cada passo, de forma muito similar à de uma chita real”, acrescentou.

‘Chita’ bateu um “novo recorde de velocidade em terra para um robô com patas”, superando o detentor anterior da marca de 21,1 km/h, estabelecida por uma equipe do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), em 1989, acrescentou a agência.

O robô consegue correr significativamente mais rápido do que o ser humano médio, mas não seria capaz de manter o ritmo do medalhista de ouro olímpico Usain Bolt, o velocista jamaicano, que registrou quase 45 km/h.

Ele foi criado pela Boston Dynamics em Waltham, Massachusetts (leste), e financiado como parte do programa de Máxima Mobilidade e Manipulação (M3) da DARPA, que busca fazer ponta em tecnologia robótica.

Algum dia, estes robôs rápidos talvez possam ajudar o Exército americano em missões que impliquem retirar bombas em estradas ou enfrentar outros perigos no campo de batalha, acrescentou a DARPA, que se negou a dar mais informações.

“O uso de robôs militares em missões com explosivos já salva muitas vidas e previne milhares de vítimas”, destacou o comunicado da DARPA.

“Se forem superadas as atuais limitações nas capacidades de mobilidade e manipulação dos robôs, eles poderiam ser muito mais eficazes para ajudar os combatentes em uma variedade maior de missões”, acrescentou.

Por enquanto, a máquina é essencialmente um animal de laboratório, propulsado por uma bomba hidráulica. Um dispositivo permite que mantenha o rumo no centro do caminho.

Alfred Rizzi, diretor científico de robótica na Boston Dynamics, disse que os testes em campo para por estas máquinas para funcionar de forma livre estão previstos para finais deste ano.

“Esta máquina é realmente um projeto impulsionado pela ciência para tentar entender quão rápido realmente se pode fazer com que andem algumas máquinas com patas”, disse à AFP.

A DARPA já financiou a Boston Dynamics para construir outros robôs ambulantes, como o Cachorro Grande (Big Dog), capaz de fazer percursos de até 20,6 km e caminhar por caminhos úmidos e ladeiras de 35 graus de inclinação, transportando até 150 quilos.

Um novo robô, o LS3, financiado pela DARPA e pelos Marines americanos, que superaria as capacidades do Cachorro Grande, é aguardado para a segunda metade do ano.