Clique e assine a partir de 9,90/mês

Reunião anual da FeSBE começa batendo recorde de inscritos

Reunião é a maior da história da federação: 5.000 pesquisadores brasileiros e estrangeiros estão reunidos para discutir os avanços da pesquisa científica na área da medicina

Por Marco Túlio Pires, do Rio de Janeiro - Atualizado em 6 Maio 2016, 17h02 - Publicado em 24 ago 2011, 18h50

Começou nesta quarta-feira a 26ª reunião da Federação das Sociedades de Biologia Experimental (FeSBE). O evento, que reúne desde 1985 milhares de pesquisadores brasileiros e estrangeiros todos os anos, acontece entre os dias 24 e 27 de agosto no Rio de Janeiro.

De acordo com Luiz Eugênio Mello, presidente da FeSBE, o encontro é o maior da história. Cerca de 5.000 pesquisadores estão inscritos para discutir os avanços na área da biologia experimental. “É o primeiro congresso que unifica todas as sociedades”, disse Mello. O presidente acredita que o grande número de inscritos se deu pela localização. “É também a primeira vez que realizamos o evento em uma cidade com o porte do Rio de Janeiro”.

A FeSBE de 2011 terá palestras e apresentação de cientistas brasileiros e internacionais sobre células-tronco, nutrição, doenças degenerativas e novas descobertas na área do câncer. A conferência também vai oferecer cursos e simpósios para os participantes.

Em 2010 o encontro da FeSBE defendeu e discutiu a lei Arouca, que regulamenta a utilização de animais em pesquisas científicas. Mello afirma que em um ano os primeiros passo foram dados. “Toda a parte política está resolvida. Cabe às universidades agora colocar em prática o que está definido na lei”, disse.

Continua após a publicidade

Confira as reportagens do site de VEJA pubicadas durante o encontro da FeSBE 2010:

Falta de sono pode causar impotência sexual

Pacientes com câncer terão tratamento personalizado no futuro

Pesquisadores tentam curar o enfisema com células-tronco

Continua após a publicidade

Subnutrição da mãe afeta saúde do filho para toda a vida

Nanotecnologia brasileira combate mortes em transplantes de coração

Droga utilizada há 20 anos no Brasil pode ajudar no combate ao diabetes tipo 2

“Sem animais, não há pesquisa científica na área da saúde”

Continua após a publicidade

Publicidade