Clique e assine a partir de 9,90/mês

Retorna do espaço nave russa com ratos e lagartos a bordo

Os animais foram usados para testar respostas do organismo a viagens espaciais longas, em uma possível preparação para Marte

Por Da Redação - Atualizado em 6 maio 2016, 16h20 - Publicado em 19 maio 2013, 13h38

Uma nave russa com 45 ratos e 15 lagartos a bordo, ao lado de outros pequenos animais, retornou neste domingo de uma missão de um mês em órbita. Os animais foram enviados ao espaço para que os cientistas pudessem prever as consequências ao organismo de uma viagem à Marte. Segundo o centro de controle russo, a nave espacial Bion-M pousou com a ajuda de um sistema de paraquedas especial na região de Oremburgo, 1.200 quilômetros a sudeste de Moscou.

A nave também transportava caracóis, pequenos roedores, algumas plantas e microflora. Em entrevista à época da decolagem, o diretor do programa do Centro Espacial Russo, Valéri Abrashkin, havia afirmado que a intenção era determinar até que ponto o organismo se adapta às condições de falta de gravidade. “Além de compreender o que é preciso fazer para garantir a sobrevivência em voos muito longos”, afirmou.

Um laboratório de pesquisa móvel foi levado ao local do pouso da cápsula para fazer uma análise rápida da resposta dos animais à viagem e ao retorno à Terra. Não foi informado, no entanto, quantos animais sobreviveram à missão.

Leia também:

Continua após a publicidade

Rússia investirá 50 bilhões de dólares no setor espacial

Falha eletrônica causou perda da sonda Fobos-Grunt

Marte – A Rússia tem como meta iniciar a criação de uma base na Lua em 2030 para voar ao planeta vermelho. No entanto, problemas recentes de seu programa espacial – incluindo o fracasso do satélite de pesquisa que Moscou tentou enviar a uma das luas de Marte ano passado – colocam em dúvida o futuro das explorações russas.

A primeira experiência soviética deste tipo com um animal foi feito com a cachorrinha Laika, em 1957, que precedeu o primeiro voo de um homem ao espaço, o de Yuri Gagarin em 1961. A cadelinha morreu ao final de algumas horas no espaço.

Continua após a publicidade

(Com agência France-Presse)

Publicidade