Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Quando uma mulher disser que não quer ser mãe, acredite’

Há mulheres que lamentam o dia em que decidiram ter filhos, constata a socióloga Orna Donath, da Universidade de Tel-Aviv. E não há nada de errado com elas

‘Se você pudesse voltar no tempo, escolheria se tornar mãe?’ Para muitas mulheres com filhos, a resposta à pergunta parece óbvia – e a questão pode soar absurda. Mas há quem genuinamente se arrependa da maternidade, constata Orna Donath, socióloga e antropóloga da Universidade de Tel-Aviv que estuda as relações entre maternidade e sociedade há quase uma década.

A israelense publicou no último ano um estudo sobre os relatos de 23 mulheres que lamentam o dia em que decidiram ter filhos. “A noção mais difundida é a de que, se garantirmos que a mulher tenha todas as condições para ser mãe, então tudo estará bem. Mas não. Algumas mães que participaram do meu estudo tinham tudo – dinheiro, tempo, ajuda – e, ainda assim, se arrependeram”, conta Orna.

A socióloga critica as pressões e até ameaças que as mulheres sofrem para que se tornem mães. “A sociedade deveria ouvir com mais atenção as mulheres que falam que não querem ser mães. E acreditar, porque elas conhecem melhor do que ninguém seus sonhos e necessidades”, diz. Leia abaixo a entrevista concedida a VEJA pela socióloga – que não tem filhos e não se arrepende.

O que levou a sra. a se interessar pelo tema? Em 2007 eu apresentei minha dissertação de mestrado sobre judeus israelenses, homens e mulheres, que não queriam ter filhos. Uma frase que surgiu nos relatos dessas pessoas ficou martelando na minha cabeça: ‘você vai se arrepender de não ter filhos!’. Como socióloga, eu queria entender mais a relação entre arrependimento, maternidade e sociedade. Já havia estudos acadêmicos sobre mulheres que se arrependiam de não ter tido filhos, mas descobri que não havia pesquisas sobre quem se arrependia de tê-los. Então decidi abordar o assunto em meu doutorado.

Como  o arrependimento materno pode ser definido? Conforme percebi durante o estudo, arrependimento não se confunde com o sentimento ambivalente que muitas mães experimentam. Há mulheres que relatam dificuldades, “mas”, ressalvam, “o sorriso do filho faz tudo valer a pena”. Já para as mulheres que participaram da minha pesquisa não há nenhum “mas”. Elas não pensam que a maternidade foi algo que valeu a pena. Nesse estudo, usei dois critérios para a definição de arrependimento. O primeiro: eu perguntava se elas, podendo voltar no tempo e com o conhecimento que têm hoje, escolheriam se tornar mães, e a resposta era “não”. O segundo critério: pesando vantagens e desvantagens da maternidade, as mães arrependidas diziam que os aspectos negativos superavam os positivos. Ou seja, mesmo reconhecendo bons momentos, elas sentiam que tinham cometido um erro.

Como distinguir esse sentimento de um quadro clínico como a depressão pós-parto? O ressentimento e a depressão pós-parto, definitivamente, não são a mesma coisa, nem estão necessariamente relacionados. Muitas mulheres passam pela experiência da depressão pós-parto durante dias, meses e até anos, mas isso não é necessariamente a explicação certa para as dificuldades da maternidade.

Qual é a principal causa do arrependimento materno? Eu não acho que exista uma única causa para o remorso das mães. Tem aquelas mulheres que só descobrem depois do parto que não foram feitas para serem mães, embora tenham lhe prometido que a maternidade convém, sim, a toda ‘fêmea saudável’. E tem mulheres cujas circunstâncias de vida mudam após o parto, por causa de divórcio, doenças, acidentes ou dificuldades econômicas, e então são muitas frentes de batalha que elas devem enfrentar. De qualquer forma, é importante mencionar que a maioria das mulheres que participaram no meu estudo não apontou como motivo do arrependimento eventuais prejuízos da maternidade para a carreira profissional, ao contrário do que muitas pessoas poderiam imaginar. A sociedade tende a opor ‘maternidade’ e ‘carreira’, supondo que ou você é ‘a mulher perfeita’ que quer ser mãe ou a mulher que ‘quer ser como um homem’ por abrir mão de filhos. Com isso, perde-se de vista o fato de que existe uma variedade de identidades, desejos e necessidades nas mulheres.

A sra. acha que o arrependimento materno é um fenômeno novo? Meu palpite é de que, ao longo da história, sempre houve mães arrependidas, mas levou tempo até que as mulheres fossem ouvidas ou tivessem seus sentimentos documentados. A história das emoções é um campo especificamente complicado, especialmente quando envolve mulheres, porque durante muitos séculos, em diversas culturas, eram os homens que escreviam sobre elas.

Se o sentimento não é novo, por que só agora tem sido discutido? Durante as últimas décadas, muitas pesquisadoras, poetas, escritoras e cineastas começaram a falar sobre o lado sombrio da maternidade, reverso da face gloriosa e mais conhecida da experiência de ser mãe. Essas mulheres falam de ódio, vergonha, desapontamento, mas não mencionam o arrependimento. Eu acredito que existem diversas razões para ignorarmos o remorso. Uma delas é a noção de que as mulheres querem mesmo se tornar mães e de que devemos simplesmente nos esforçar para facilitar as coisas para elas, em vez de questionar a própria vontade de ter filhos. A noção mais difundida é a de que, se garantirmos que a mulher tenha todas as condições para ser mãe, então tudo estará bem. Mas não. Algumas mães que participaram do meu estudo tinham tudo – dinheiro, tempo, ajuda – e, ainda assim, se arrependeram. Outra razão pela qual ninguém falava sobre isso é que muitas sociedades condenam o arrependimento de uma forma geral. É um sentimento que se espera de alguém que tenha cometido um crime ou a um pecado, mas, fora isso, o arrependimento costuma ser considerado um sinal de fraqueza e derrota, um estado que as pessoas deveriam superar o mais rápido possível.

Como a maternidade deveria ser vista? Eu acredito que, antes de tudo, nós devemos aceitar que o arrependimento é uma experiência humana que pode se seguir a qualquer decisão que tomemos. Seres humanos cometem erros. Se aceitarmos isso, então talvez consigamos olhar para as mães arrependidas como seres humanos, não como monstros. Além disso, acho que a sociedade deveria ouvir com mais atenção as mulheres que falam que não querem ser mães. E acreditar, uma vez que elas conhecem melhor do que ninguém seus sonhos, anseios, desejos e necessidades e o próprio corpo. As pressões e ameaças devem acabar. É responsabilidade da sociedade garantir que as mulheres não sejam empurradas para a maternidade e depois abandonadas por pessoas que lhe dirão: ‘É sua culpa, você que escolheu, lide com isso sozinha’.

Qual é o papel do parceiro nesses casos? Eu acredito que compartilhar os cuidados parentais com um parceiro pode ajudar, mas não vai necessariamente prevenir o arrependimento. Existem mulheres que participaram no estudo que têm a seu lado um companheiro que cuida dos filhos – e ainda assim elas se ressentem da maternidade.

A sra. tem filhos? Não, eu não sou mãe e sabia desde os 16 anos que nunca me tornaria uma. Eu sei que muitas pessoas pensam que conduzi esse estudo porque queria provar algo, já que não quis ser mãe. Mas estão errados. Eu nunca considerei que minha falta de vontade de ser mãe fosse um problema que eu precisava resolver.

Que mensagem o estudo passa a mães arrependidas? Eu acredito que o estudo não toca apenas mães arrependidas. Ele se dirige também às mulheres que não chegam a lamentar a maternidade, mas têm lá seus momentos difíceis e até às mulheres que simplesmente não querem ser mães. Talvez, ao falar honestamente sobre a possibilidade de arrependimento, mais e mais mulheres poderão decidir por si se querem mesmo se tornar mães ou não. Assim, mais e mais mães vão poder dizer o que estão pensando e sentindo sem que sejam condenadas. Eu acho que, de certa maneira, não é exatamente o arrependimento que causa o sofrimento, mas as reações da sociedade a esse sentimento. Meu estudo não busca glorificar o arrependimento, mas reconhecer sua existência. Arrepender-se é humano. Mães são humanas.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. A socióloga critica as pressões e até ameaças que as mulheres sofrem para que se tornem mães. “A sociedade deveria ouvir com mais atenção as mulheres que falam que não querem ser mães. E acreditar, porque elas conhecem melhor do que ninguém seus sonhos e necessidades”, As mulheres latinas só estão se libertando agora. A questão já é bem resolvida nos países de 1o mundo. Não há problemas em seguir sonhos alheios, mas isso tem quer um ato volitivo. Até então, era uma “imposição da sociedade”… Aí não rola… A mulher vai na onda, tem filho, e descobre que o jardim não é tão verde… Liberdade de escolha! Liberté (do jeito que vocês escolherem), mulherada!!!

    Curtir

  2. Marcos Ficarelli

    É louco. E daí? Estamos num mundo onde muitas mulheres já decidiram não ser mulheres ou ser contra os homens. Falta o quê? – desculpe, estou com medo de ser processado pelo que penso.

    Curtir

  3. Nossa…. 23 mulheres…. que universo interessante da pesquisa/dissertação… a impressão que dá, a cada dia, é que veja vem andando para trás… reportagem xula…

    Curtir

  4. Com um numero de 23 casos estudados, seria reprovada em qualquer revista científica. Parece muito mais opinião pessoal travestida de estudo.

    Curtir

  5. Penso que deveríamos sempre nos perguntar, antes de qualquer discussão sobre maternidade (ou paternidade): se não tivéssemos filhos, seríamos mais felizes? Afinal, quando as baladas, as grandes realizações e o trabalho árduo acabarem, não restará nada, senão lembranças vãs.

    Curtir

  6. Minha esposa, ja com 52 anos, desde a adolescencia nunca quis ser mae, nem por um momento sequer. E fez tudo para nao ser mesmo. Mesma coisa com a irmã dela, que hoje ja tem 53 anos. Nenhuma das duas quis ser mae na vida, nunca quiseram ter que cuidar de filho (algo que consideram um estorvo), nunca se arrependeram dessa decisao e nunca mudaram de ideia.

    Como eu tambem nao quero ter filhos, temos um casamento feliz, apenas eu e ela.

    Curtir

  7. LUCIANA DOTTI SILVA

    Eu não quis ser mãe!
    Fiz essa escolha! E NÃO ME ARREPENDO!
    Com o perdão da palavra, mas nós, mulheres, somos (inconscientemente) vistas como reprodutoras! Muitas vezes as pessoas me falam: “você um dia vai se arrepender”!
    Sinto em lhes dizer, mas eu, como mulher, não me arrependo! Amo crianças, mas não quis ser mãe!
    Essa visão de “não completude” é uma mentira socialmente imposta (não sou feminista) e que muitas mulheres apenas se dão conta após assumirem o papel de “mãe”!
    Admiro todas as mães, a garra e força da maioria delas!
    Mas também admiro a MINHA CORAGEM de não me submter – POR ESCOLHA MINHA – a uma convenção social! Por ter que, por muitas e muitas vezes, explicar que EU DECIDI não ter filho! E que CONTINUO SENDO MUITO MULHER, apesar de não ter filhos!
    TUDO, na vida, possui 02 lados:
    Bônus e Ônus; ou; Ganhos e Perdas!
    Com a escolha de Ser – ou de Não Ser – MÃE não poderia ser diferente! Há perdas e ganhos! Grandes ônus e Grandes Bônus!
    Bom mesmo é quando a decisão de SER, OU de NÃO SER, MÃE…NĀO É A principal QUESTÃO! Bom mesmo é quando A QUESTÃO É: SER, ou não, FELIZ!
    O fato ser SER MÃE não é o fundamento da felicidade! Assim como o fato de NÃO SER MÃE também não o é!
    O fundamento da felicidade independe do status MÃE! E é preciso muita coragem para assumir esta escolha!

    Curtir