Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Promessas de países são insuficientes para prevenir aquecimento mundial de 2°C, alerta ONU

Em relatório divulgado nesta sexta-feira (30) a organização afirma que o mundo está na direção certa, mas as metas deveriam passar por revisões periódicas para manter o globo em um patamar seguro de temperatura

Faltando um mês para o início da Conferência de Paris (COP-21), a Convenção do Clima da Organização das Nações Unidas (UNFCCC) divulgou na manhã desta sexta-feira (30), em Berlim, um relatório analisando as contribuições que a maior parte dos países do mundo apresentou para reduzir o problema das mudanças climáticas. Em linhas gerais, buscou trazer uma mensagem positiva: se o mundo cumprir o que está prometendo vai conseguir evitar um futuro dramático que seja de 4°C a 5°C mais quente. Mas também alertou: só que ainda estamos longe de ficar abaixo dos 2°C – limite considerado seguro pelos cientistas.

Leia também:

‘Metas climáticas brasileiras estão na direção certa, mas poderiam ser mais ambiciosas’

“Verões intensos no Hemisfério Norte estão ligados ao aquecimento do Ártico”

É a primeira vez que tantas nações se comprometem a tomar ações para reduzir suas emissões de gases de efeito estufa e, assim, tentar frear o aquecimento global. Até 1º de outubro, 146 países (incluindo o Brasil) apresentaram suas Contribuições Nacionalmente Determinadas (INDCs, na sigla em inglês), conjunto de compromissos com que cada um pretende contribuir pelos próximos anos para evitar o problema. Juntos eles respondem por 86% das emissões de gases de efeito estufa do planeta. Todos os países desenvolvidos e os grandes emergentes, além da maioria dos demais países em desenvolvimento, apresentaram suas metas.

De acordo com a análise feita pela UNFCCC, considerando-se que todas as propostas sejam plenamente cumpridas, em 2030 o mundo poderá ter deixado de emitir 4 gigatoneladas (Gt) de carbono na comparação com o que emitiria sem as metas. Com essas ações, a média de emissões per capita também cairá 9% até a data.

A análise não mediu o que isso significaria em termos de temperatura, mas, durante coletiva à imprensa, a secretária-executiva da convenção, Christiana Figueres, disse que a estimativa bate com outra, feita pela Agência Internacional de Energia (IEA), que chegou a números próximos aos 4 Gt e, em seguida, extrapolou que o aumento da temperatura pode ficar em cerca de 2,7°C até o final do século.

“É muito boa notícia. Sem as INDCs estaríamos no caminho de 4°C ou 5°C. Com elas plenamente cumpridas, ficamos abaixo dos 3°C. É uma boa notícia porque mostra que estamos na direção certa. Mas ficar abaixo de 3°C é diferente de ficar abaixo de 2°C. É um passo notável, mas ainda não é suficiente”, alertou Christiana. No entendimento da convenção, as INDCs deixam as portas abertas para o mundo ficar no limite dos 2°C.

COP 21 – Durante a Conferência do Clima que será realizada a partir de 30 de novembro em Paris, os países terão de estabelecer um acordo global de redução das emissões. Há dois pontos importantes que precisam ser decididos, segundo a ONU: como essas INDCs estarão ancoradas no acordo (hoje elas são somente uma intenção) de um modo legal; e o que acontece depois disso.

Christiana defende uma revisão periódica, talvez a cada cinco anos, para aumentar os esforços a fim de que as emissões caiam ainda mais ao longo dos anos. “Estou confiante de que essas INDCs não são a última palavra sobre o que os países estão prontos para alcançar ao longo do tempo. A jornada para um futuro climático seguro está em andamento e o acordo em Paris pode catalisar essa transição”, disse Christina.

Advertência – Uma passada de olho sobre os números destrinchados pela UNFCCC mostra, porém, que, somando todas as metas, o salto para reduzir as emissões a ponto de evitar um aumento de temperatura maior será um grande desafio.

De acordo com os cálculos, em relação a valores atuais, as emissões ainda sobem nos próximos anos – apesar de menos do que subiriam se não houvesse as INDCs. Para 2025, as emissões podem atingir 55,2 gigatoneladas de CO2 por ano e, em 2030, elas seriam de 56,7 Gt/ano. Em 2010, o mundo emitia cerca de 49 Gt anuais.

O IPCC (o painel de cientistas do clima da ONU) estima que para a temperatura não subir além dos 2°C o mundo poderia emitir somente 1.000 Gt de CO2, entre 2011 e 2100. Considerando as INDCs, as emissões globais acumuladas chegarão a 748,2 Gt de CO2 em 2030 (num melhor cenário seria 722,8 Gt). Ou seja, nas melhores condições, sobrariam menos de 280 gigatoneladas para serem emitidas até o final do século.

“Para ficar nos 2°C, considerando essa situação, seria necessário zerar as emissões a partir de 2050. Isso deixa menos de 14 gigatoneladas por ano entre 2031 e 2050. É menos de um terço do que o mundo estará emitindo em 2030”, alerta Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima, que atuou na revisão do relatório. “Então temos de olhar para esses números vendo, claro, que houve progresso, há um engajamento dos países, e até pode ser que eles cheguem a 2030 com um cenário melhor do que as promessas que estão na mesa, mas todo mundo tem de fazer mais”, diz.

(Com Estadão Conteúdo)