Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Primo de Tiranossauro com plumas é descoberto

No reino dos dinossauros, o lendário Tiranossauro acaba de ganhar um pequeno primo coberto de penas, com 9 metros de comprimento e cerca de 1,4 tonelada é o maior animal já identificado com plumas.

Cientistas chineses e canadenses encontraram três esqueletos deste novo tipo de “tiranossauro gigante” nos fabulosos sítios paleontológicos da província de Liaoning, no nordeste da China.

Este primo do Tiranossauro possuía “penas filamentosas” com um comprimento de pelo menos 15 centímetros, revelaram os paleontólogos.

“Elas pareciam mais com a penugem de um pinto moderno do que com as plumas rígidas de um pássaro adulto”, informou o professor Xing Xu, especialista dos vertebrados no Instituto de Paleontologia de Pequin, que conduziu o estudo publicado nesta quarta-feira na revista britânica Nature.

Devido às características físicas, foram batizados de “Yutyrannus huali”, que significa “tirano de belas plumas”, em uma mistura de mandarim chinês e latim.

O tamanho do Yutyrannus huali é muito inferior ao do Tiranossauro Rex, mas seu peso é 40 vezes mais elevado do que o maior dinossauro com penas conhecido até hoje, o Beipiaosaurus.

A presença de plumas em um Tiranossauro, mais associada à função de isolamento térmico do que à capacidade de voar, não devia ser necessária para as maiores espécies. “Os grandes animais geralmente conseguem conservar o calor mais facilmente, têm, ao contrário, um maior potencial para desenvolver problemas de superaquecimento”, explicou o Dr. Corwin Sullivan, um paleontólogo canadense que participou do estudo.

Os paleontólogos já haviam determindo que “alguns grandes mamíferos quase não tinham pêlos porque neles a relação superfície / volume permitia reter o calor corporal mesmo sem pelagem”, lembra o estudo.

O caso do Yutyrannus, cujo corpo era apenas parcialmente coberto com penas”, pode refletir uma adaptação a um ambiente frio incomum, afirma o estudo. Ele viveu durante o período Cretáceo Inferior (146 a 100 milhões de anos), que nós acreditamos ser muito mais frio do que o resto do Cretáceo”, 10°C contra 18°C em média.

O estudo revela mais um novo elemento sobre a evolução dos primeiros animais com penas. É possível que a dimensão e a natureza da plumagem “evoluiu de acordo com as mudanças de massa corporal e da temperatura do ambiente”, acreditam os pesquisadores.

“É possível que as penas fossem mais amplas, pelo menos nos carnívoros”, revelou Dr. Xu.

Pode-se até considerar, de acordo com o estudo, que o Tiranossauro e seus parentes tiveram penas em partes do corpo.

Além disso, descobriram, na mesma região, o Sinotyrannus, outro primo do T-Rex.

Este estudo demonstra que os Tiranossauros eram os predadores dominantes dos ecossistemas do nordeste da China durante o Cretáceo. bb-ban/jca/pm/mr