Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Prêmio Nobel de Química 2021 vai para pesquisas ligadas a catalisadores

O alemão Benjamin List e o britânico David W.C. MacMillan dividirão 10 milhões de coroas suecas, cerca de 6,1 milhões de reais

Por Alessandro Giannini Atualizado em 6 out 2021, 07h55 - Publicado em 6 out 2021, 07h39

Anunciado nesta quarta-feira, 6, pela Academia Real das Ciências da Suécia, o Prêmio Nobel de Química 2021 foi para o alemão Benjamin List, diretor do Instituto Max Planck, em Dusseldorf, e para o britânico David W.C. MacMillan, professor da Universidade de Princeton, pelo desenvolvimento de uma nova ferramenta de construção molecular, a organocatálise, que teve um grande impacto na pesquisa farmacêutica. O prêmio no valor de 10 milhões de coroas suecas, cerca de 6,1 milhões de reais, será dividido igualmente entre List, de 55 anos, e MacMillan, também de 55 anos.

Após o anúncio, List falou por telefone aos jornalistas na Suécia que o prêmio foi uma “grande surpresa”. “Eu não esperava por isso”, disse ele, que estava de férias em Amsterdã com sua família quando foi comunicado. O cientista alemão disse que inicialmente não sabia que MacMillan estava trabalhando no mesmo assunto e chegou a pensar que seu palpite poderia ser apenas uma “ideia estúpida”. Até que funcionou. “Eu realmente senti que isso poderia ser algo grande”, completou.

Os catalisadores são substâncias que controlam e aceleram reações químicas, sem fazer parte do produto final. Tornam-se, assim, ferramentas importantes para os químicos. Durante muito tempo, os pesquisadores acreditavam que havia apenas dois tipos de catalisadores disponíveis: metais e enzimas. Benjamin List e David MacMillan desenvolveram de forma independente, em 2000, um terceiro tipo de catálise. É a chamada organocatálise assimétrica e se baseia em pequenas moléculas orgânicas.

  • A organocatálise se desenvolveu rapidamente desde 2000. List e MacMillan permanecem líderes no campo e mostraram que os catalisadores orgânicos podem ser usados ​​para impulsionar inúmeras reações químicas. Usando essas reações, os pesquisadores agora podem construir de forma mais eficiente qualquer coisa, desde novos produtos farmacêuticos até moléculas que podem capturar luz em células solares. “Este conceito de catálise é tão simples quanto engenhoso, e o fato é que muitas pessoas se perguntam por que não pensamos nisso antes”, diz Johan Åqvist,  presidente do Comitê Nobel de Química.

    Este é o terceiro Nobel entregue nesta semana. Na terça, o prêmio de Física foi para o japonês Syukuro Manabe, o alemão Klaus Hasselmann e o italiano Giorgio Parisi, por trabalhos que ajudaram a compreender sistemas ligados às mudanças climáticas. Na segunda, os americanos David Julius e Ardem Patapoutian ganharam o prêmio de Medicina  pela descoberta de receptores na pele que sentem a temperatura e o toque. Os troféus de Literatura e Paz serão entregues ainda nesta semana; o de Economia será divulgada na próxima segunda, 11.

    Continua após a publicidade
    Publicidade