Clique e assine a partir de 9,90/mês

Por que o asteroide que aniquilou os dinossauros foi tão letal?

Novo estudo mostra que o ângulo no qual a Terra foi atingida concretizou a pior situação possível

Por Da Redação - 29 May 2020, 18h17

Uma nova simulação de computador apontou que o asteroide responsável pela extinção dos dinossauros atingiu a Terra no pior ângulo possível. De acordo com o estudo, publicado no periódico científico Nature Communications, foi esse fator que potencializou a força destrutiva do evento.

O ângulo do impacto teria sido de 45 a 60 graus na direção nordeste — o pior cenário possível, segundo a pesquisa. A colisão liberou gases que causaram mudanças climáticas e vários outros efeitos que, no fim das contas, culminou na aniquilação dos dinossauros e de 75% da vida na Terra há 66 milhões de anos.

Os cálculos foram feitos a partir da cratera Chicxulub, na Península de Yucatán, México. Os modelos consideraram diferentes cenários para o impacto, presumindo um asteroide com 17 quilômetros de largura e uma velocidade de 12 quilômetros por segundo.

As simulações mais precisas foram aquelas em que o ângulo de impacto estava entre 45 e 60 graus, com o asteroide atingindo o nosso planeta do nordeste. Esse cenário maximizou a quantidade de detritos atmosféricos, prejudicando muito a vida na Terra — o evento liberou tanto enxofre das rochas que os raios de sol foram bloqueados na atmosfera, inibindo a fotossíntese.

Continua após a publicidade

As consequências dos impacto a longo prazo foram enormes. Na época dos dinossauros, por exemplo, mamíferos eram pequenos e viviam sobretudo nas sombras. Sem a morte de seus principais predadores, os grandes répteis, eles muito provavelmente não teriam tido espaço para evoluir, processo que culminou no surgimento de nós, Homo sapiens.

Publicidade