Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Pessoas têm mais empatia por indivíduos de outras raças quando convivem com eles, diz pesquisa

Segundo o professor Ross Cunnington, autor do estudo, a identificação de um ser humano com outro se dá por processos cerebrais ativos quando há convivência contínua.

Por Da Redação
Atualizado em 5 jun 2024, 03h32 - Publicado em 14 Maio 2015, 18h03

Publicado na revista Cortex, o estudo, da Faculdade de Psicologia da Universidade de Queensland em conjunto com o Instituto do Cérebro do mesmo estado da Austrália, provou o que já se sabia pelo senso comum: quanto mais tempo passamos com pessoas de outras raças, mais empatia temos por elas.

A pesquisa foi feita com trinta estudantes chineses que haviam chegado recentemente à Brisbane, na Austrália, sendo dezoito mulheres e doze homens. Durante a análise, os jovens tiveram que assistir a vídeos de atores da China e outros de caucasianos, que receberam toques dolorosos e não-aflitivos na bochecha.

Leia também:

A pele através da história

Brasileira cria pele artificial com tecido de porco

Continua após a publicidade

Para registrar o nível de empatia neural no cérebro dos alunos ao assistir cada vídeo, os pesquisadores usaram técnicas de gravação de imagem cerebral. Segundo o professor adjunto Ross Cunnington, da Universidade de Queensland, “a investigação sobre a década passada mostrou que o cérebro tem um viés racial muito forte em resposta a ver os outros na dor ou sofrimento; como resultado, temos muito mais empatia em relação às pessoas de nossa própria raça”.

Mas o novo estudo mostrou que o nível de empatia aumenta quanto mais uma pessoa convive com outras raças. De acordo com Cunnington, a empatia dependeu, em parte, dos processos cerebrais que levaram as pessoas a se espelharem automaticamente nas outras ou a compartilharem as suas emoções.

“Nós descobrimos que aqueles que relataram mais contato com outras raças durante toda a vida apresentaram maiores níveis de empatia neural em comparação com aqueles que tiveram menor contato”, definiu Cunnington.

(Da redação)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.