Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Pesquisadores criam fios elétricos com teias de aranha

Ao cobrir os fios com partículas de carbono, os cientistas obtiveram um material resistente e biodegradável

Cientistas desenvolveram fios condutores de eletricidade a partir de teias de aranha revestidas com carbono. A descoberta, ainda em estudo, pode ser uma opção ecologicamente correta para dispositivos médicos e aparelhos eletrônicos. O estudo foi publicado nesta terça-feira, na revista científica Nature Communications.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Carbon nanotubes on a spider silk scaffold

Onde foi divulgada: periódico Nature Communications

Quem fez: Eden Steven, Wasan R. Saleh, Victor Lebedev, Steve F. A. Acquah, Vladimir Laukhin, Rufina G. Alamo e James S. Brooks

Instituição: Universidade Estadual da Flórida, EUA, e outras

Resultado: Ao cobrir uma teia de aranha com nanotubos de carbono, os pesquisadores criaram um material condutor de corrente elétrica muito resistente e biodegradável.

A teia de aranha é um material de grande interesse científico. Em alguns tipos de teia, os fios são mais fortes do que o aço (quando têm a mesma espessura do aço) e podem ter resistência comparável ao kevlar – fibra sintética resistente e leve, utilizada em coletes à prova de bala -, além de serem biodegradáveis. Porém, seu potencial de aplicação é limitado pelo fato de ela não ser capaz de conduzir eletricidade.

Para resolver esse problema, os pesquisadores, liderados por Eden Steven, da Universidade Estadual da Flórida, nos Estados Unidos, cobriram os fios de teia de aranha com nanotubos de carbono, estruturas cilíndricas em escala muito pequena feitas de átomos de carbono. Isso foi feito misturando os fios com um pó do material, e então adicionando algumas gotas de água. Quando exposta à água, a teia se contrai e fica mais macia. A mistura foi pressionada entre duas folhas de teflon e, ao secar, os fios ficaram escuros, cobertos uniformemente pelos nanotubos.

Os pesquisadores utilizaram a teia da aranha Nephila clavipes, conhecida como aranha-de-teia-dourada, devido à coloração amarelada de sua teia. Ela produz fios muito longos, o que facilitou sua obtenção pela equipe.

Leia também:

“Pais solteiros” de espécie de aracnídeo vivem mais

Para conseguir sexo, aranhas-de-jardim tentam enganar parceiras com presentes

Resistência e eletricidade – Após a adição do carbono, os fios ficaram três vezes mais fortes do que antes, mais flexíveis e se tornaram capazes de conduzir corrente elétrica. Apesar de se tornarem mais resistentes, eles continuaram sendo biodegradáveis. Como uma forma de testar o material, os pesquisadores utilizaram esses fios para criar um dispositivo simples para medir batimentos cardíacos.

Porém, antes que seja possível utilizar o material em dispositivos eletrônicos, os pesquisadores precisam solucionar alguns problemas, como o fato de os fios ainda esticarem quando puxados. Tanto esse fato quanto a presença de umidade ainda prejudicam a condutibilidade elétrica desse material.