Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Pesquisa para tratamento do vitiligo abre caminho para reverter cabelos brancos

Como as duas condições estão relacionadas ao acúmulo de radicais livres, substância utilizada para tratar o vitiligo pode ser solução para cabelos brancos. O medicamento, porém, ainda não foi testado com essa finalidade

Um estudo das universidades de Greifswald (Ernst-Moritz-Arndt-Universität Greifswald), na Alemanha e de Bradford, na Inglaterra, sobre um tratamento para o vitiligo, doença que causa despigmentação da pele, pode dar pistas para futuros tratamentos contra cabelos brancos. Isso é possível porque as duas condições apresentam ao menos uma causa em comum: o stress oxidativo, ou seja, o acúmulo de radicais livres, que provoca a perda de pigmentação.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Basic evidence for epidermal H2O2/ONOO−-mediated oxidation/nitration in segmental vitiligo is supported by repigmentation of skin and eyelashes after reduction of epidermal H2O2 with topical NB-UVB-activated pseudocatalase PC-KUS

Onde foi divulgada: periódico Faseb

Quem fez: Karin U. Schallreuter, Mohammed A. E. L. Salem, Sarah Holtz e A. Panske

Instituição: Universidade de Greifswald, na Alemanha

Dados de amostragem: 2.411 pacientes com vitiligo

Resultado: Os pesquisadores mostraram que o stress oxidativo (acúmulo de radicais livres) também está relacionado ao vitiligo segmentar (variação da doença que atinge apenas a região correspondente a um determinado ramo neural, como um lado da face). O tratamento com a pseudocatalase, que cumpre a função da catalase, enzima que retira os radicais livres do organismo, pode ser útil para o tratamento de cabelos brancos, que também são causados pelo acúmulo de radicais livres, mas ainda não há estudos que comprovem isso.

O estudo utiliza um tipo de pseudocatalase (substância aplicada em forma de creme) denominado PC-KUS como forma de tratamento para o vitiligo. Essa substância faz a função da catalase, enzima que elimina os radicais livres do organismo. Ela é aplicada nos locais onde ocorreu a perda de pigmentação, e é ativada por meio de radiação ultravioleta B (UVB).

O estudo foi realizado com dados de 2.411 pacientes com vitiligo, dos quais 57 apresentavam vitiligo segmentar (uma variação da doença que atinge apenas a região correspondente a um determinado ramo neural, como um lado da face) e 76 apresentavam um tipo misto da doença, que engloba o vitiligo segmentar e o não segmentar (forma da doença que evolui de modo imprevisível). A pesquisa, publicada no Faseb, periódico da Federação das Sociedades Americanas de Biologia Experimental, mostrou pela primeira vez que o vitiligo segmentar também apresenta como uma das causas o stress oxidativo.

Cabelos brancos – Durante a realização do estudo, Karin Schallreuter, principal autora, observou a ocorrência de pigmentação também dos pelos presentes nas áreas afetadas pelo vitiligo após o uso da pseudocatalase. Com isso, a autora sugere que esse tratamento pode ter uma aplicação em potencial sobre os cabelos brancos, que também estão associados ao acúmulo de radicais livres. No entanto, ainda não foram realizados estudos clínicos que comprovem esse tipo de uso da pseudocatalase. “Tanto o cabelo branco quanto o vitiligo são condições causadas por diversos fatores. Há a questão da hereditariedade e, no caso do vitiligo, a doença pode ter relação com problemas autoimunes. O stress oxidativo é apenas mais um dos fatores”, afirma Celso Lopes, médico do ambulatório de vitiligo da Unifesp e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

A pseudocatalase é um tratamento já utilizado em alguns países, como Alemanha e Estados Unidos. “No Brasil o stress oxidativo também é levado em consideração, com o uso de suplementos orais antioxidantes”, conta Lopes.

De acordo com ele, a pseudocatalase não pode ser considerada uma cura para o vitiligo. “Não são todos os casos da doença que recebem indicação para esse tipo de tratamento, e mesmo neste estudo os autores não obtêm resultado em todos os casos”, explica o dermatologista.

Diferentes abordagens – A ênfase no stress oxidativo é uma abordagem utilizada por Karin Schallreuter e alguns pesquisadores da área. Celso explica que outra abordagem possível valoriza mais o processo autoimune, por exemplo, no qual o paciente desenvolve anticorpos contra os melanócitos (células que sintetizam a melanina, responsável pela pigmentação da pele). “Existem também tratamentos com imunossupressores, para controlar esse processo”, diz Lopes.