Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Pesquisa mostra cacatuas aprendendo a abrir fechaduras

Cientistas descobriram que a ave, conhecida por sua inteligência, é capaz de abrir uma série de trincos interligados para alcançar uma porção de comida

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h19 - Publicado em 4 jul 2013, 17h19

A cacatua de goffin (Cacatua goffiniana) é uma espécie de ave conhecida por sua inteligência e capacidade de se relacionar com seres humanos. Semelhante a um papagaio, mas originária da Indonésia, ela costuma ser utilizada por biólogos para estudar a capacidade de alguns animais – e especialmente algumas aves – de resolver problemas e desenvolver inteligência. Uma pesquisa publicada nessa quarta-feira na revista PLOS ONE mostra, pela primeira vez, que a espécie é capaz de aprender a abrir uma série de trincos interligados, para alcançar um pedaço de alimento oferecido pelos pesquisadores.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Explorative Learning and Functional Inferences on a Five-Step Means-Means-End Problem in Goffin’s Cockatoos (Cacatua goffini)

Onde foi divulgada: periódico PLOS ONE

Quem fez: Alice M. I. Auersperg, Alex Kacelnik e Auguste M. P. von Bayern

Instituição: Universidade de Oxford, Inglaterra

Dados de amostragem: Dez cacatuas sem nenhum treinamento, que foram colocadas de frente a uma caixa com castanha de caju. Para acessar a comida, elas precisariam abrir cinco trincos interligados

Resultado: Uma das aves conseguiu abrir a fechadura sem nenhum tipo de ajuda. Outras cinco também conseguiram, mas precisaram antes assistir a outra ave resolvendo o problema ou tomar conhecimento de cada um dos trincos de forma separada

Continua após a publicidade

Um estudo anterior, realizado pela mesma equipe, já havia revelado que as cacatuas são capazes de criar e usar ferramentas para alcançar uma pequena noz colocada fora de sua jaula. Agora, eles testaram a capacidade de o animal resolver problemas complexos ao colocar a ave de frente a uma caixa fechada. Dentro dela, atrás de uma portinhola transparente, havia castanha de caju. Para abrir a porta e pegar a comida, no entanto, ela precisava passar por uma série de cinco trincos, que funcionavam de modo interligado.

A resolução do problema era razoavelmente complexa: a cacatua precisava primeiro remover um pino, depois retirar um parafuso e liberar um ferrolho. Em seguida, tinha de mover uma roda 90 graus para permitir que a portinhola fosse finalmente aberta. Uma das aves, chamada Pipin, conseguiu resolver o problema, sem nenhum tipo de assistência ou treinamento, após duas horas de tentativas. Outras cinco também conseguiram, mas precisaram receber algum tipo de ajuda, como ver um parceiro completando a tarefa.

Segundo os cientistas, isso demonstra que as cacatuas são capazes de perseguir uma meta longínqua, mesmo que só venham a receber a recompensa após a resolução de todos os desafios. “A partir de seu comportamento, concluímos que as aves percebem as relações entre objetos. Elas demonstraram ser capazes de seguir um objetivo distante, sem ganhar uma recompensa a cada passo da tarefa”, diz Alex Kacelnik, pesquisador do Departamento de Zoologia da Universidade de Oxford, e um dos autores do estudo.

Leia também:

Quase humanos

“Não é mais possível dizer que não sabíamos”, diz Philip Low

Baleia aprendeu a imitar voz humana espontaneamente

Catracas da percepção – Os cientistas afirmam que as cacatuas pareciam agir como se seguissem um processo de “catraca cognitiva”: quando elas descobriam como abrir um dos trincos, aprendiam como ele funcionava e não enfrentavam mais dificuldades quando ele aparecia novamente. “A habilidade das aves de aprender e responder a mudanças indica uma grande plasticidade comportamental e memória prática”, afirma Auguste von Bayern, pesquisador da Universidade de Oxford que também participou do estudo.

As características da espécie também teriam ajudado na resolução do problema. Segundo os pesquisadores, a cacatua é uma ave que explora o ambiente de maneira táctil, além de possuir grande curiosidade e persistência para resolver tarefas. “Elas exploram os objetos usando seu bico, língua e pés – um explorador puramente visual possivelmente nunca resolveria esse problema”, diz Auguste von Bayern.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês