Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Pesquisa cria imagem 3D de rosto humano a partir de amostra de DNA

Autores do estudo acreditam que, no futuro, será possível descobrir como é a face de uma pessoa por meio de um fio de cabelo — o que poderia ajudar, por exemplo, em investigações de crimes

No futuro, um fio de cabelo deixado na cena de um crime pode ser uma pista tão importante quanto a fotografia do próprio criminoso. Isso porque pesquisadores americanos desenvolveram um programa de computador capaz de criar imagens tridimensionais da face de uma pessoa a partir de amostras de seu DNA.

De acordo com esses especialistas, prever a cor dos olhos ou do cabelo de uma pessoa pela análise de um gene é relativamente fácil. Já as informações genéticas relacionadas ao formato do rosto e ao tamanho do nariz são mais complexas, porque um gene sozinho não determina um nariz grande ou pequeno.

Em um estudo publicado nesta quinta-feira no periódico Plos Genetics, pesquisadores da Universidade do Estado da Pensilvânia, nos Estados Unidos, buscaram identificar conjuntos de informações genéticas capazes de dar informações sobre o formato da face.

Leia também:

Cientistas decodificam o mais antigo DNA de ancestral humano

Sistema de análise de DNA permite descobrir características físicas de pessoas mortas há séculos

Para isso, a equipe tirou fotografias de alta resolução do rosto de 592 pessoas com ascendências diferentes e, portanto, com materiais genéticos diversificados. A partir dessas imagens, os pesquisadores criaram modelos tridimensionais definidos por mais de 7 000 pontos, com base nas características daquele rosto, como o tamanho do nariz ou o formato das maçãs do rosto.

Depois, os autores compararam o genoma de cada participante para identificar trechos do DNA que se diferenciavam da média. A partir de um modelo estatístico, eles identificaram variações em vinte genes significativamente associados ao formato do rosto. Os pesquisadores, então, criaram um programa de computador capaz de usar os dados do DNA dos participantes para prever a face de cada um.

De acordo com Mark Shriver, professor de antropologia e coordenador do estudo, ele e sua equipe pretendem realizar a pesquisa com mais pessoas e identificar genes envolvidos em outras características, como a textura do cabelo. “Hoje, nós não podemos prever completamente o rosto de alguém pelo seu DNA, mas isso é possível”, diz.