Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Partículas mortas de coronavírus podem alterar resultado de testes

Nova pesquisa realizada por cientistas da Coreia do Sul fornece dados que serão usados para melhorar o tempo de isolamento social de pessoas em tratamento

Por André Lopes Atualizado em 30 abr 2020, 16h29 - Publicado em 30 abr 2020, 13h14

Pacientes com coronavírus que permanecem positivos semanas após o diagnóstico podem abrigar partículas de vírus mortas e que, em testes, não podem ser distinguidas das infecciosas, descobriram cientistas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças da Coreia do Sul, o país que até o momento realizou a maior testagem populacional.

O vírus Sars-CoV-2 morre em uma a duas semanas depois de infectar e se proliferar em células respiratórias. No entanto, partes do material genético do vírus, ou RNA, podem permanecer nas células e continuam sendo detectadas nos teste de ácido nucleico, o exame padrão de detecção da doença, um mês ou dois após a infecção, ressaltando a limitação do procedimento, afirmaram os pesquisadores na quarta-feira (29).

A nova evidência é importante considerando que, ao saber quanto tempo um indivíduo mantém sinais do vírus, pode-se a controlar melhor o tempo o isolamento social e a quarentena de pessoas em tratamento. Estudos anteriores indicam que pacientes muito doentes transmitem a doença por mais tempo do que os que tiveram sintomas mais brandos.

ASSINE VEJA

Coronavírus: uma nova esperança A aposta no antiviral que já traz ótimos resultados contra a Covid-19, a pandemia eleitoral em Brasília e os fiéis de Bolsonaro. Leia nesta edição.
Clique e Assine

Além disso, aprimorar o pós tratamento dos curados é tão importante quando o tratamento dos sintomas, alertam os pesquisadores da Coreia. É levado em conta que o Centro Coreano para Controle e Prevenção de Doenças informou, no início de abril, que o coronavírus pode estar sendo reativado em pessoas que foram curadas da doença. Na época, o órgão descobriu que cerca de 51 pacientes classificados como curados apresentaram teste positivo novamente. Concluiu-se que, ao invés de uma nova infecção, o vírus pode ter sido reativado nessas pessoas.

  •  

    Continua após a publicidade
    Publicidade