Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Panamá investe em mosquitos geneticamente modificados para conter dengue

Mosquitos geneticamente modificados gerariam proles incapazes de chegar à fase adulta. Técnica ainda está em teste e precisa de autorizações oficiais

Cientistas querem introduzir no Panamá mosquitos geneticamente modificados para combater o inseto transmissor da dengue. O projeto foi anunciado nesta quarta-feira por Néstor Sousa, diretor do Instituto Comemorativo Gorgas de Estudos de Saúde, dedicado a pesquisas sobre doenças tropicais no Panamá.

A ideia é introduzir mosquitos OGM (organismos geneticamente modificados) que competiriam com seus congêneres não modificados pelas fêmeas. A modificação genética tem objetivo de criar uma prole que não resistiria a um dos processos de crescimento do Aedes aegypti, a fase de larva na água.

Leia também:

Casos de dengue caem no Brasil, mas aumentam no Rio

A empresa de biotecnologia britânica Oxytec é responsável pela produção de mosquitos com essa característica a partir da introdução de um gene em laboratório. Este processo tecnológico ainda está em fase de estudo e já foram realizadas experiências no Brasil, na Malásia e nas Ilhas Caiman.

Preocupação – A técnica e a modificação genética geram muitos temores entre grupos de ecologistas. Até o momento não há autorizações para este tipo de prática e os projetos para compra dos mosquitos OGM da Oxytec devem aguardar autorizações oficiais.

Sousa tenta tranquilizar os críticos. “Os efeitos adversos teóricos existem, mas não há um risco real”, insistiu, acrescentando que este método de controle é “mais seguro para o ambiente” do que os inseticidas.

Para o diretor, essa é uma nova tecnologia para controlar as populações dos mosquitos Aedes aegypti. “Ficou demonstrado que se você libera estes mosquitos machos, periodicamente a população diminui”, disse Sousa.

A tecnologia RIDL, da Oxytec, é uma variação melhorada da Técnica do Inseto Estéril, usada no Panamá há vários anos para controlar a proliferação da mosca varejeira (Cochliomyia hominivorax), que provocam miíase, também conhecida como bicheira, parasitose que destrói a pele de animais pela infestação de larvas.

Nesta técnica, machos “estéreis” são liberados para acasalar com fêmeas silvestres, reduzindo o êxito reprodutivo destas fêmeas. Repetidas liberações levam à supressão da população silvestre.

(Com Agência France-Presse)