Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Organização Mundial da Saúde planeja reforma financeira

A Organização Mundial da Saúde planeja realizar reformas financeiras, com vistas a atender a cortes orçamentários, devido à crise econômica internacional, anunciou um alto funcionário da OMS.

As propostas incluem a redução do tamanho da sede da agência sanitária da ONU, em Genebra, com a transferência dos funcionários para trabalhar em áreas menos caras, disse a jornalistas o diretor estratégico da OMS, Daniel Lopez-Acuna.

O corpo executivo da organização anunciou, após uma sessão extraordinária, celebrada esta semana, que a organização planeja realizar “reformas ambiciosas com vistas a fortalecer as fundações de uma organização que já é robusta e dotá-la de capacidade de resposta aos desafios da saúde pública do século XXI”.

Lopez-Acuna afirmou não esperar uma mudança do dia para a noite. As reformas na organização de 63 anos, com uma equipe de cerca de 8.500 funcionários ao redor do mundo será “um processo que levará algum tempo”, acrescentou.

Em maio, os 193 países da OMS adotaram um orçamento de austeridade para 2012-2013 em face do déficit de cerca de US$ 300 milhões em contribuições de doadores, provocado pela crise.

Cerca de 300 funcionários da sede serão demitidos e serão necessárias reformas futuras.

Os recursos serão transferidos de forma crescente para programas internos, explicou Lopez-Acuna, e algumas atividades podem ser suspensas totalmente dependendo do financiamento e das prioridades.

O comunicado do conselho executivo se seguiu a uma reunião de três dias. A entidade voltará a se reunir em janeiro para examinar formas de “antecipar melhor e ser mais flexível em seu financiamento”.

Neste ínterim, autorizou os líderes da OMS a tomar “medidas imediadas”, concluiu o comunicado, sem dar maiores detalhes.