Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Olhos se movem quando cenas dos sonhos mudam, diz estudo

De acordo com pesquisa publicada na 'Nature Communications', o rápido movimento dos olhos é acompanhado pelo padrão cerebral que processa novas imagens, como acontece no período desperto

Durante a fase profunda do sono, os olhos se movem rapidamente. Os cientistas suspeitavam que essa agitação, conhecida como fase REM (Rapid Eye Movement, em inglês), estivesse relacionada às figuras vistas nos sonhos. Mas, só nesta semana, conseguiram provar que os olhos e os neurônios reagem às cenas oníricas como se o corpo estivesse sendo apresentado a novas imagens. De acordo com o estudo publicado na revista Nature Communications, os olhos acompanham as ‘mudanças de cenas’ dos sonhos e, por isso, se movem tanto.

Leia também:

Novo livro ensina como controlar os sonhos

Estudo explica por que algumas pessoas se lembram dos sonhos e outras não

Cenário onírico – Para descobrir o que acontece no cérebro durante o REM (a fase em que ocorrem os sonhos mais vívidos e profundos), os pesquisadores da Universidade de Tel Aviv, em Israel, acompanharam 19 pacientes com epilepsia por quase duas semanas, registrando toda a atividade neuronal com eletrodos – durante o período de sono e o desperto. Esses pacientes, que precisavam ter os neurônios monitorados por causa da doença, ofereceram uma oportunidade para o estudo detalhado dos sonhos.

Os cientistas analisaram diversas áreas cerebrais e perceberam que a área mais ativa durante o movimento rápido dos olhos e os sonhos é a relacionada à atualização das imagens mentais e associações. É um padrão semelhante ao que ocorre quando somos apresentados a novas imagens durante o período desperto. A mesma atividade cerebral foi registrada quando os participante estavam acordados e viam uma figura ou fechavam os olhos e imaginavam imagens e conceitos.

“Nossa pesquisa sugere que o movimento rápido dos olhos durante o sono representam o momento em que o cérebro encontra uma nova imagem em um sonho, similar à atividade cerebral exibida quando vemos novas cenas no período desperto”, explica Itzhak Fried, da Universidade de Tel Aviv.

(Da redação)