Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

NYT: “o que afinal é o chester, o ‘superfrango’ do Brasil?”

A produção do prato natalino é cercada por mistérios, já que a própria Perdigão impede que as aves sejam vistas vivas

Por Da redação
Atualizado em 30 out 2016, 17h56 - Publicado em 30 out 2016, 17h53

O jornal americano New York Times quer saber: o que é um chester? Para responder a própria pergunta, o NYT fez uma matéria bem-humorada sobre esta espécie de frango, produzida no Brasil. O texto chega a apontar as lendas urbanas que cercam a existência do chester. Seria ele um cruzamento entre avestruzes e perus? Seria ele um experimento laboratorial? Seria uma criatura que migrou do Polo Norte para o Brasil? Por que ninguém nunca viu um chester vivo?

Para desvendar o mistério, o jornal consultou um porta-voz da BRF, empresa dona da marca Perdigão, que detém a licença para vender o produto com o nome de chester. A resposta, disse o porta-voz, não poderia ser dada objetivamente, por causa do segredo mantido pela própria BRF em torno da criação da superave. Mas o porta-voz garantiu: “não são frangos alimentados com antibióticos ou hormônios para acelerar seu crescimento”.

A Perdigão diz, em seu site que “o chester é um frango de uma linhagem especial, que foi escolhida a dedo e é criada para ter mais peso e menos gordura, além de mais carnes nobres e uma cara suculenta”. Ou seja, o chester seria somente um frango maior, com menos gordura e grandes quantidades de peito e coxa. Em proporção, mais de 70% da ave é composta por estas “carnes nobres”, contra 45% em um frango comum. Vale lembrar que outras empresas também vendem uma espécie de superfrango nas épocas festivas, mas embalam o produto com outro nome. No caso da Seara, por exemplo, o nome dado é Fiesta.

A origem dos chesters remeteria ao final da década de 70, quando avicultores brasileiros foram aos Estados Unidos selecionar os tais frangos maiores, com menos gordura. O chester é, na verdade, resultado de doze anos de seleção genética artificial. A ideia era lançar um produto que concorresse com o peru no Natal. Desde então, a produção de chester é feita pela BRF, em um lugar restrito, para evitar que haja cruzamento genético com outras aves. Está aí a resposta do porquê ninguém viu um chester vivo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.