Clique e assine com até 92% de desconto

Novo método científico revela ‘idade real’ das pessoas

Pesquisadores chineses fizeram 'máscaras' em 3D do rosto de pessoas de 17 a 77 anos e descobriram que nossa face reflete o envelhecimento do organismo de forma mais precisa que qualquer outro exame médico

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h05 - Publicado em 31 mar 2015, 18h08

O rosto mais jovem ou envelhecido pode mesmo revelar a “idade real” de alguém. Um estudo feito por cientistas chineses com imagens faciais em 3D demonstrou que nosso rosto reflete melhor o estado de saúde geral do organismo do que exames de sangue ou a idade cronológica. De acordo com a pesquisa, publicada nesta terça-feira no periódico Cell Research, a face é o melhor marcador de envelhecimento de que dispomos.

Conduzido pelos pesquisadores da Academia Chinesa de Ciências, o estudo demonstra que o intervalo entre a idade indicada pelo rosto e a idade cronológica pode variar cerca de seis anos, para mais ou para menos. De acordo com os cientistas, a descoberta do método simples e inovador que compõe um mapa em 3D do envelhecimento do rosto pode auxiliar médicos a diagnosticar doenças relacionadas à idade, como doenças cardíacas ou Alzheimer, e fazer com que os indivíduos tomem atitudes para melhorar sua saúde e retardar o processo.

“Apesar de toda a pesquisa feita até agora, ainda não existia um marcador de envelhecimento confiável. Os resultados de nosso estudo demonstram que utilizando um procedimento não invasivo no rosto, o grau geral de envelhecimento pode ser calculado com maior precisão que a de exames de rotina. A saúde está escrita em nossa face”, afirmam os pesquisadores no artigo.

Leia também:

As doenças que ameaçam a longevidade

Continua após a publicidade

Exercitar-se na meia-idade pode preservar o cérebro na velhice

Rosto em 3D – Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores escanearam o rosto de mais de 300 pessoas entre 17 e 77 anos, construindo um mapa de como a face humana se transforma durante as diferentes fases da vida. Os contornos e traços faciais foram capturados pela máquina de 3D e revelaram a idade biológica de cada um dos participantes. Para os médicos, essa idade, que nem sempre condiz com a idade cronológica (a quantidade de anos vividos por uma pessoa), é o melhor modo de descobrir como o corpo está envelhecendo.

As imagens mostraram como, à medida que o tempo passa, a boca e o nariz se tornam maiores e os cantos dos olhos caem, além da conhecida perda de elasticidade e brilho da pele. A idade cronológica da maior parte dos participantes estava em um intervalo de cerca de seis anos de distância da “idade facial”. Ou seja, para uma pessoa de 40 anos, seu rosto poderia apontar um envelhecimento compatível com idades entre 34 a 46 anos.

Os cientistas então compararam a idadefacial de cada um dos participantes aos marcadores de envelhecimento contidos em exames de sangue, como a taxa de colesterol e a albumina, proteína contida no plasma. A idade facial captada pelo escâner estava mais próxima da idade revelada pelos exames, conseguindo ser ainda mais precisa para demonstrar a condição geral do organismo.

“Esse método em 3D capaz de prever a idade fisiológica é potencialmente útil para avaliar o grau de envelhecimento, estimar o risco das doenças relacionadas à idade e ajudar os médicos a indicar os melhores tratamentos”, afirmam os pesquisadores no estudo.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade