Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Novo cometa ‘brasileiro’ é descoberto em observatório de Minas Gerais

O C/2015 F4 Jacques é o terceiro astro deste tipo descoberto pelo Sonear, composto por um trio de astrônomos amadores

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h05 - Publicado em 2 abr 2015, 15h13

Um novo cometa foi descoberto por três brasileiros do Sonear (sigla para Southern Observatory for Near Earth Asteroids Research), um observatório particular perto de Oliveira, cidade a 120 quilômetros de Belo Horizonte. O C/2015 F4 Jacques é o terceiro a ser encontrado pela equipe. Ele foi visto pela primeira vez no dia 28 de março e confirmado pela comunidade científica no último dia 30.

O cometa recebeu seu nome em homenagem a Cristóvão Jacques, astrônomo amador que, junto com Eduardo Pimentel e João Ribeiro, é responsável pelo observatório. Brilhante, o objeto foi visto por meio do telescópio de 280 milímetros, o menor dos dois que compõe o Sonear.

“O cometa tem agora uma pequena calda e vai ter a sua aproximação máxima com a Terra no final de julho”, disse Jacques ao site de VEJA. Não há risco de colisão. A estimativa é que no dia 8 de agosto, quando o objeto atingir sua aproximação máxima com o Sol, ele esteja a 134 milhões de quilômetros da estrela.

Ele não deve atingir brilho suficiente para ser visto a olho nu, apenas com uso de telescópios, mas Jacques avisa que, por serem corpos celestes em movimento, o cometa pode surpreender. A passagem do C/2014 E2 Jacques, o segundo cometa descoberto pelo observatório, foi fotografada por astrônomos ao redor do mundo e mostrou um cometa bastante brilhante.

Leia também:

Missão Rosetta: o cometa 67P está girando mais devagar

Continua após a publicidade

Rosetta sobrevoa o cometa 67P e faz fotos detalhadas de sua superfície

Descobertas brasileiras – Todos os cometas “brasileiros” já encontrados são descobertas do Sonear. O primeiro, C/2014 A4 Sonear, foi descoberto em janeiro do ano passado, e o segundo, em março do mesmo ano.

O trio de observadores mineiros começou a vasculhar o céu em busca de objetos próximos à Terra em 1999. Jacques é engenheiro, Eduardo é advogado e Pimentel é jornalista e professor. Eles costumam dedicar as horas vagas às descobertas astronômicas. Em 2009, iniciaram o planejamento do observatório, que começou a funcionar em dezembro de 2013.

Eles tiram fotos à noite e, durante o dia, analisam o material. São os únicos a procurar objetos assim – que envolvem corpos que podem se chocar com a Terra – no Hemisfério Sul.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade