Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Novas tecnologias transformam Boeing 787 em ‘avião dos sonhos’

Principal inovação foi o uso de materiais compostos, o que permitiu a fabricação de uma aeronave mais leve, mais resistente e mais econômica

O Boeing 787, que chegou ao mercado oficialmente nesta segunda-feira, é o tipo de lançamento que só se vê a cada 50 anos. A aeronave representa a primeira mudança drástica desde o Boeing 747, lançado na década de 1960. É mais leve, polui menos, é mais econômico, consegue voar mais longe e faz menos barulho. Nada modesta, a empresa decidiu batizá-lo de Dreamliner, ou avião dos sonhos, um trocadilho com a palavra airliner (termo em inglês para aviões comerciais).

Saiba mais

MATERIAIS COMPOSTOS

Feitos principalmente de plástico reforçado com fibra de carbono, os materiais compostos são mais leves que o alumínio, mas tão resistentes quanto ele. Permitem mais liberdade no desenho das aeronaves, deixando-as mais leves, econômicas e seguras.

A nova aeronave da Boeing consegue avançar em várias áreas graças ao material utilizado na construção (veja gráfico abaixo), aos motores de última geração e a uma série de novos recursos eletrônicos. De acordo com Fernando Catalano, chefe do departamento de Engenharia Aeronáutica da Universidade de São Paulo (USP), a utilização de materiais compostos, como a fibra de carbono, para a construção da fuselagem do avião, causou um efeito em cascata.

“Como o avião é 20% mais leve e tão resistente quanto os da geração anterior, construídos basicamente com alumínio, ele consegue carregar mais peso e economizar combustível, além de permitir mudanças na aerodinâmica”, explica em entrevista ao site de VEJA. Por causa dos materiais compostos, os engenheiros conseguiram fazer com que a ponta da asa do 787 fosse curvada para cima. “Em velocidade de cruzeiro, esse formato deixa a nave mais rápida e economiza combustível”, afirma Catalano.

Outra inovação que aumenta a economia da aeronave é a quantidade de novos componentes eletrônicos. “Eles permitem que sejam usados menos sistemas hidráulicos e pneumáticos e faz com que o próprio avião possa produzir energia durante o voo”, explica o engenheiro. “Além disso, os circuitos eletrônicos ajudam a reduzir a emissão de poluentes.”

A Boeing também apresentou motores mais silenciosos e mais econômicos no 787. Catalano explica que as turbinas do novo avião são dotadas de algo chamado caixa de redução, um dispositivo que reduz a velocidade das hélices. “Como elas são muito grandes, as lâminas da turbina podem superar a velocidade do som”, disse o professor. As caixas de redução ajudam a diminuir essa velocidade, reduzindo o consumo de combustível e o barulho da turbina.

Opinião do especialista

Fernando Catalano

Chefe do departamento de Engenharia Aeronáutica da Universidade de São Paulo (USP)

“Como o avião é 20% mais leve e tão resistente quanto à geração anterior, construída basicamente com alumínio, ele consegue carregar mais peso, economizar combustível e permite mudanças na aerodinâmica.”

Uso militar – Apesar de serem novidade no setor comercial, as novas tecnologias já vêm sendo usadas pelos militares há algum tempo, segundo Catalano. “Como a aviação civil requer cuidados extras, todas as novidades precisam ser provadas e comprovadas ao longo de anos.” Agora que a Boeing abriu o caminho, outras empresas e governos terão uma base de dados para certificar, comprar e fabricar os novos componentes.

O especialista acredita que outros gigantes do setor irão seguir o mesmo caminho da Boeing. A europeia Airbus já utiliza uma mistura de alumínio e fibra de vidro para a fabricação de um material mais leve na construção do ‘superjumbo’ A380, o maior do mundo, capaz de levar até 853 passageiros. A Bombardier também estuda projetos que utilizam materiais compostos para a construção de aviões. Fabricante de aviões de menor porte, a japonesa Kawasaki já anunciou que vai lançar uma aeronave que também utiliza materiais mais leves. A ideia é competir com a brasileira Embraer, que possui laboratórios de materiais compostos em São José dos Campos, no interior de São Paulo e em Portugal.

info-avião-boeing-787

info-avião-boeing-787 (/)

Leia mais:

Leia mais: A impressionante diferença de ruído entre o Boeing 707 e o novo 787