Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Nasa lança sua primeira missão para coletar poeira de asteroide

Agência americana lançou nesta quinta sonda OSIRIS-REx que vai até Bennu, asteroide que tem uma chance em 2.500 de colidir com a Terra no século XXII

A agência espacial americana, lançou na noite desta quinta-feira a missão OSIRIS-REx, que vai até Bennu, um asteroide com quase 500 metros de diâmetro. O objetivo é coletar amostras e voltar à Terra – as análises podem revelar quais substâncias deram origem aos seres vivos e oceanos da Terra.

A nave espacial não tripulada partiu de Cabo Canãveral, na Flórida, às 19h05 local (20h05 em Brasília) levada por um foguete Atlas V. Agora, a missão que custou 800 milhões de dólares viajará pelo espaço durante dois anos até entrar na órbita de Bennu. Em 2020, deve colher as amostras para voltar à Terra em 2023, quando as rochas serão catalogadas e analisadas.

Leia também:
Saiba o que é Bennu, o asteroide do fim do mundo
OSIRIS-REx, a missão que vai até um asteroide buscar as origens da Terra

Bennu foi escolhido entre os cerca de 500.000 asteroides do sistema solar porque ele orbita perto da rota da Terra em torno do Sol, é do tamanho adequado para um estudo científico, é um dos asteroides mais antigos conhecidos pela Nasa e, além disso, tem uma pequena chance de colidir com a Terra no século XXII – a probabilidade é uma em 2.500, bem pequena, é verdade, mas longe de ser desprezível para os astrônomos.

“Nos asteroides primitivos e ricos em carbono como Bennu, os materiais são preservados há mais de 4,5 bilhões de anos”, explicou Christina Richey, cientista do programa OSIRIS-REx, à Agência France-Presse. “Eles podem ser os precursores da vida na Terra ou em outro lugar do nosso sistema solar”, afirmou.

Defesa e mineração espacial

Além disso, a missão também busca descobrir como criar estratégias de defesa contra asteroides. Com informações como composição e órbita do corpo celeste, os astrônomos pretendem desenhar possíveis métodos para diminuir os riscos de uma futura colisão. Para isso, irão medir como a luz solar pode empurrar asteroides enquanto eles orbitam – um fenômeno conhecido como Efeito de Yarkovsky – para que os cientistas possam prever melhor os riscos a longo prazo de que corpos celestes como esses entrem na órbita da Terra.

OSIRIS-REx também pretende jogar luz sobre como encontrar recursos preciosos, como água e metais, nos asteroides. O objetivo é delinear uma futura mineração espacial. Usando um conjunto de câmeras, e espectrômetros, a sonda tentará entender a distribuição de materiais ao longo de toda a superfície do asteroide.

“Vamos mapear este mundo totalmente novo que nunca vimos antes”, disse Dante Lauretta, pesquisador principal da OSIRIS-REx e professor da Universidade do Arizona, em Tucson.

(Com AFP)