Clique e assine a partir de 9,90/mês

Na era dos dinossauros, um ano tinha 372 dias de 23 horas e 30 minutos

Análise de conchas de molusco antigos ajudou pesquisadores a constatarem a duração dos dias, que têm se alongado com o tempo

Por Sabrina Brito - 10 mar 2020, 16h27

Um estudo publicado em fevereiro revelou que os dias na Terra nem sempre tiveram a mesma quantidade de horas. De acordo com o artigo, veiculado no periódico científico Paleoceanography and Paleoclimatology, um ano na época dos dinossauros tinha 372 dias, e cada dia, apenas 23 horas e 30 minutos. Isso significa que, há cerca de 70 milhões de anos, a Terra girava mais rapidamente do que hoje.

A pesquisa baseou-se na análise de conchas de moluscos antigos. Por meio de lasers, os cientistas obtiveram amostrar finíssimas das conchas, e puderam contar seus anéis de crescimento, formados a cada ano, com precisão. Assim, puderam determinar que os anos na Terra tinham 6 dias a mais do que hoje.

Uma das conchas analisadas pelos cientistas, pertencente a um molusco bivalve já extinto. AGU/Divulgação

A observação permitiu que fosse elaborada uma reconstrução do dia terrestre há dezenas de milhões de anos com detalhamento impressionante. O estudo das conchas informou aos pesquisadores que os oceanos eram mais quentes na época dos dinossauros do que se pensava, atingindo aproximadamente 40 graus Celsius no verão e ultrapassando os 30 no inverno.

É importante ressaltar que a duração de um ano não muda ao longo da história da Terra, pois a órbita que o nosso planeta descreve em torno do Sol é constante. No entanto, o número de dias em um ano tem sido cada vez menor com o passar do tempo, porque cada dia tem durado mais.

O alongamento dos dias ocorre sobretudo por causa de um efeito curioso que o nosso satélite natural exerce sobre a Terra. Conforme a gravidade da Lua influencia a maré dos oceanos, o atrito causado por ela desacelera a rotação terrestre.

Continua após a publicidade
Publicidade