Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Malária chega a novas regiões com mudanças climáticas, afirma estudo

Cientistas descobriram que, devido ao calor, a doença atingiu áreas de alta atitude da América Latina e África Oriental, antes protegidas pelas baixas temperaturas

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h13 - Publicado em 7 mar 2014, 20h55

Estudo conduzido por cientistas americanos sugere que a malária chegou a novas regiões, impulsionada por mudanças de temperatura. A pesquisa, publicada nesta sexta feira na revista Science, mostra como os casos e os riscos de disseminação da doença aumentaram em regiões montanhosas na América Latina e na África Oriental, locais que antes tinham baixa incidência. O principal motivo seria a elevação da temperatura nesses territórios, que costumavam apresentar temperaturas mais amenas, impedindo que tanto o mosquito transmissor como o parasita não se desenvolvessem adequadamente.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Altitudinal Changes in Malaria Incidence in Highlands of Ethiopia and Colombia

Onde foi divulgada: revista Science

Quem fez: A. S. Siraj, M. Santos-Vega, M. J. Bouma, D. Yadeta, D. Ruiz Carrascal, M. Pascual

Instituição: Howard Hughes Medical Institute (HHMI), EUA

Resultado: Os pesquisadores analisaram casos de malária entre 1990 e 2005 na América Latina e África Oriental e descobriram que a doença chegou a novas regiões, impulsionada por mudanças de temperatura

Continua após a publicidade

A pesquisa, liderada por cientistas do Howard Hughes Medical Institute (HHMI), dos Estados Unidos, estudou os casos de malária registrados de 1990 a 2005 no centro da Etiópia e oeste da Colômbia. Cruzando esses dados com as temperaturas médias anuais, eles perceberam que o número de casos da doença aumenta em anos mais quentes e diminui nos mais amenos. Quando está mais calor, a malária chega às regiões mais altas. Em anos mais frescos, ela se restringe a locais de baixa altitude.

Leia também:

Vacina japonesa reduz em 72% o risco de malária

Cientistas descobrem fóssil de mosquito cheio de sangue

“O risco diminui com a altitude e esta é a razão histórica de as pessoas terem ido viver nessas regiões mais altas”, disse Mercedes Pascual, principal autora do estudo. “O impacto em termos de aumento do risco à doença é muito grande.”

Combate à malária – De acordo com os pesquisadores, o aumento de 1 grau Celsius na temperatura média pode infectar, nos próximos três anos, 3 milhões de crianças menores de 15 anos na Etiópia – se não houver medidas de controle à doença. Estratégias simples como inseticidas, mosquiteiros e uso de medicação preventiva têm maiores chances de sucesso nas novas regiões onde o parasita chegou, pois a taxa de transmissão ainda é relativamente baixa.

A malária é uma das enfermidades que mais matam no mundo – cerca de 600 mil pessoas por ano. Além disso, em 2012 foram constatados 207 milhões de casos da doença, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Continua após a publicidade
Publicidade