Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Lixo do tsunami japonês chega em profusão à costa do Alasca

Por Leticia Bouyer
Atualizado em 6 Maio 2016, 16h36 - Publicado em 23 Maio 2012, 15h37

Uma quantidade “sem precedentes” de dejetos arrastados pelo tsunami que varreu o Japão no ano passado chegou à costa do Alasca, afirmaram ambientalistas que se preparam para iniciar uma operação de limpeza maciça.

Material flutuante, incluindo boias e isopor, foi arrastado para a Ilha Montague, 190 km a sudeste de Anchorage, em volumes que claramente sugerem uma onda de detritos do tsunami mortal de 11 de março de 2011.

“Os dejetos encontrados em inspeções iniciais na ilha revelaram uma quantidade absolutamente sem precedentes de boias, isopores e outros detritos flutuantes”, afirmou Patrick Chandler, do Centro de Estudos Costeiros do Alasca.

Ele afirmou que há anos o lixo procedente da Ásia é arrastado até a costa do Alasca, portanto “é incrivelmente difícil afirmar com certeza absoluta que um pedaço dado dos detritos deve-se ao tsunami”.

Continua após a publicidade

“No entanto, nunca vimos a quantidade que vemos agora. No passado, teríamos encontrado algumas dúzias de boias pretas, usadas na aquicultura japonesa, durante uma limpeza de praias. Agora, vemos centenas”, afirmou à AFP, antes de iniciar uma operação de limpeza de praias, previsto para começar nesta quinta-feira e durar 12 dias.

“Não há nenhuma outra fonte possível para este aumento, além do tsunami. Portanto, nossa conclusão é que talvez esta seja sua origem”, acrescentou.

Espera-se que milhões de toneladas de detritos do terremoto japonês sejam arrastadas nos próximos meses e anos. Cientistas havaianos desenvolveram modelos de computador para prever onde e quando podem chegar.

Continua após a publicidade

No começo de abril, a Guarda Costeira dos Estados Unidos afundou uma traineira japonesa deserta que apareceu ao longo da costa do Alasca mais de um ano depois de ter ficado à deriva após ser atingido pelo tsunami.

Também no mês passado, um estudante japonês recebeu a notícia de que teria devolvida sua bola, avistada na ilha Middleton, no Golfo do Alasca.

No começo de maio, a imprensa canadense reportou que uma motocicleta Harley-Davidson com placas de uma das áreas mais afetadas pelo terremoto no Japão tinha sido encontrada por um banhista nas ilhas Haida Gwaii, na costa da Columbia Britânica.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.