Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Japão apresenta nova sonda para explorar asteroide

A Hayabusa-2 tem lançamento previsto para dezembro, e deve alcançar o asteroide 1999 JU3 em 2018

A Agência Japonesa de Exploração Espacial (JAXA) apresentou à imprensa uma nova sonda, a Hayabusa-2, com a qual espera repetir o êxito de sua antecessora, que conseguiu trazer pó de asteroide depois de uma jornada de sete anos. “A nova sonda estará pronta muito em breve”, afirmou o chefe do projeto, Hitoshi Kuninaka, citado pela agência Jiji. O lançamento, da base de Tanegashima, sul do Japão, está previsto para dezembro.

A sonda deve alcançar seu alvo, o asteroide 1999 JU3, em meados de 2018 e começará a retornar no final de 2019, para chegar à Terra um ano mais tarde, se tudo ocorrer conforme o planejado. Ao contrário de Itokawa, o asteroide explorado pela primeira sonda Hayabusa, este novo corpo rochoso contém carbono e água.

A Hayabusa-2 será equipada com uma espécie de canhão espacial. Quando chegar à órbita desejada do 1999 JU3, vai soltar o artefato e se posicionar ao lado do asteroide. O canhão disparará uma bola metálica contra a superfície do asteroide, criando uma cratera de vários metros de diâmetro. Em seguida, a sonda vai pousar no local e extrair amostras do subsolo. Os cientistas da JAXA acreditam que é mais interessante explorar o subsolo do que a superfície do asteroide, que recebe mais impacto de raios cósmicos.

Leia também:

Como defender o planeta dos asteroides

Descoberto novo asteroide ‘brasileiro’

Lançada em maio de 2003, a primeira Hayabusa recolheu mostras do asteroide Itokawa, a 290 milhões de quilômetros da Terra, em setembro de 2005. Dificuldades de telecomunicações com a sonda, avarias dos motores, baterias e outros equipamentos obrigaram os técnicos usar de inventividade para recuperar o controle e trazê-la de volta com três anos de atraso. A viagem se transformou em uma interminável jornada de sete milhões de quilômetros, e a Hayabusa se converteu para os japoneses no símbolo de sua perseverança.

(Com Agência France-Presse)