Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

James Webb registra imenso vapor de água emitido por lua de Saturno

Fenômeno faz com que anel líquido orbite o gigante gasoso

Por Luiz Paulo Souza Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 Maio 2023, 12h05 - Publicado em 31 Maio 2023, 12h00

Saturno é, certamente, um dos planetas mais curiosos a serem estudados. Com 145 luas já reconhecidas pela União Astronômica Internacional (IAU), ele pode ser considerado um sistema solar em miniatura. Nos últimos dias, um desses satélites voltou a chamar atenção. De acordo com dados do telescópio espacial James Webb, a Encélado está emitindo um jato de água mais de 20 vezes maior que seu próprio tamanho. 

Os pesquisadores ainda constataram que os jatos garantem suprimento de água para todo o sistema saturniano. “À medida que gira em torno de Saturno, a lua e seus jatos estão basicamente cuspindo água, deixando um halo, quase como um donut, em seu rastro”, afirma Geronimo Villanueva, autor principal do estudo. 

Com cerca de 500 quilômetros de diâmetro, a lua tem apenas 4% do volume da Terra. Ela é, contudo, uma das principais candidatas a terem vida, pois entre seu pequeno núcleo rochoso e a sua superfície congelada, existe um mundo todo de água salgada.  

A Encélado já havia sido estudada de perto anteriormente, pela Cassini, quando ela chegou a Saturno, em 2004. A sonda já havia, inclusive, coletado o material desses jatos emitidos por vulcões, semelhantes a gêiseres, quando constatou que eles são compostos por partículas de gelo, vapor de água e químicos orgânicos.

Continua após a publicidade

O estudo mais avançado com o telescópio James Webb permitiu uma melhor compreensão desses jatos. De acordo com o artigo científico que já foi aceito e será publicado na Nature Astronomy, a emissão tem se mantido estável ao longo dos anos. Os números são surpreendentes, são 300 kg/s – o suficiente para encher uma piscina olímpica em apenas algumas horas. 

Cerca de 30% da água se mantém nesse halo que orbita o planeta, ocupando mais ou menos o mesmo espaço do anel mais externo de Saturo. Os outros 70% se espalham e são absorvidos pelos outros corpos do sistema. 

Durante os próximos anos, observações do telescópio ajudarão a caracterizar melhor essa e outras luas para facilitar o trabalho de missões futuras em direção ao gigante gasoso.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.