Clique e assine a partir de 9,90/mês

Hubble detecta aglomerado de estrelas-monstro milhões de vezes mais brilhante que o Sol

As nove estrelas massivas possuem 100 vezes a massa do Sol e emitem gás e poeira em quantidade equivalente à massa da Terra todo mês

Por Da Redação - Atualizado em 6 maio 2016, 15h58 - Publicado em 18 mar 2016, 11h56

Um time de especialistas da Nasa e da ESA (agência espacial europeia) revelaram com a ajuda do Telescópio Espacial Hubble novas imagens do aglomerado de estrelas R136, na Nebulosa de Tarântula. O conjunto de estrelas está localizado há 170.000 anos-luz da Terra e abriga nove estrelas enormes, apelidadas de “estrelas-monstro”, que juntas são 30 milhões de vezes mais brilhantes que o Sol. O estudo, que foi publicado recentemente no Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, deve auxiliar pesquisadores a compreender o desenvolvimento e funcionamento de estrelas massivas, sendo também uma prova da capacidade de Hubble.

Leia também:

Conheça a ASASSN-15lh, a supernova mais brilhante do céu

Hubble comemora 25 anos com fotografia inédita de ‘fogos de artifício naturais’

Continua após a publicidade

De acordo com os pesquisadores, liderados por Paul Crowther, da Universidade de Sheffield, na Grã-Bretanha, as nove estrelas massivas possuem 100 vezes a massa do Sol e emitem gás e poeira em quantidade equivalente à massa da Terra todo mês, o que garante que elas não terão vida longa. Para realizar as observações os especialistas dissecaram a radiação ultravioleta do aglomerado de estrelas utilizando dois equipamentos a bordo do Hubble. “Novamente nosso trabalho demonstra que, mesmo em órbita por mais de 25 anos, ainda existem algumas áreas da ciência nas quais o Hubble se mostra unicamente capaz”, afirmou Crowther.

É possível que algumas dessas estrelas massivas muito próximas se tornem buracos negros no futuro, que podem se fundir eventualmente, assim como o movimento visto na primeira vez que as ondas gravitacionais foram detectadas. A equipe de pesquisadores vai continuar a analisar os dados recolhidos pelo Telescópio Espacial para identificar qual a origem desse aglomerado de “estrelas-monstro” e calcular as possibilidades da formação de novas ondas gravitacionais.

(Da redação)

Publicidade