Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Homens mais baixos vivem mais, diz estudo

Pesquisa feita com americanos de origem japonesa mostra uma relação entre a altura e a longevidade

Estatura e longevidade apresentam uma conexão direta – pelo menos para homens de origem japonesa. É o que mostrou um estudo feito por pesquisadores dos Estados Unidos, Japão, Austrália e México, publicado na semana passada, no periódico Plos One.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Shorter Men Live Longer: Association of Height with Longevity and FOXO3 Genotype in American Men of Japanese Ancestry

Onde foi divulgada: periódico Plos One

Quem fez: Qimei He, Brian J. Morris, John S. Grove, Helen Petrovitch, Webster Ross, Kamal H. Masaki, Beatriz Rodriguez, Randi Chen, Timothy A. Donlon, D. Craig Willcox e Bradley J. Willcox

Instituição: Universidade do Havaí, nos Estados Unidos, e outras

Dados de amostragem: 8 006 homens nipo-americanos nascidos entre 1900 e 1919, residentes da ilha de Oahu, no Havaí, que foram acompanhados por mais de 40 anos

Resultado: O estudo revelou que a altura está associada à longevidade, e a forma como a insulina é processada no organismo parece possibilitar essa relação

O estudo foi baseado em dados de 8 006 nipo-americanos nascidos entre 1900 e 1919 e residentes da ilha de Oahu, no Havaí. Dentre eles, 12% tinham nascido no Japão, e a maioria era da segunda geração.

Os pesquisadores descobriram que os homens mais baixos tendiam a apresentar uma forma do gene FOXO3 que já havia sido associada à longevidade em estudos anteriores. Esses participantes também apresentavam menores níveis de insulina no sangue. “Analisamos homens de 1,50 a 1,80 metro de altura. Quanto mais alto, menor foi a longevidade”, afirma Bradley Willcox, um dos autores do estudo e professor da Universidade do Havaí.

Leia também:

Tamanho de estrutura no DNA pode prever expectativa de vida de animais selvagens

Projeto brasileiro estudará DNA de idosos saudáveis para aumentar longevidade da população

Limitações – Os autores da pesquisa explicam que a amostra utilizada é bastante homogênea geneticamente e portanto não corresponde à população mundial.

“O estudo é bem desenhado e pode indicar que a genética desempenha um papel muito importante na longevidade, mas não permite afirmar que as pessoas mais baixas vão viver mais. Essa correlação precisa ser avaliada em outras populações”, diz o médico geneticista Ciro Martinhago, diretor da clínica Chromosome Medicina Genômica, em São Paulo, que não participou do estudo.

Segundo Martinhago, a longevidade provavelmente não se deve à altura, mas ao fato de que os portadores da variação do gene FOXO3 metabolizam insulina com mais eficiência. “O processamento da insulina e a altura são consequência da presença desse gene”, afirma o médico.