Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Futuro das viagens espaciais é tema de exposição em N.York

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h54 - Publicado em 19 nov 2011, 18h44

Nova York, 19 nov (EFE).- O que está por vir das viagens espaciais é o ponto central de uma exposição no Museu de História Natural de Nova York, que recria por meio de simuladores, maquetes e objetos reais os próximos avanços na área.

‘O que nos mostra esta exibição é que a prospecção espacial só está começando, que existem coisas fabulosas por fazer’, disse à Agência Efe o responsável de astrofísica no museu e curador da amostra, Michael Shara.

A exposição, que abriu neste sábado, com o título de ‘Beyond Planet Earth: The Future of Space Exploration’ (Além do Planeta Terra: o futuro da prospecção espacial, em livre tradução), repassa alguns destes avanços fabulosos, como a possibilidade de fazer turismo espacial e a colonização de Marte.

Até alguns anos atrás, essas missões espaciais só faziam parte do cinema e da literatura de ficção científica, mas atualmente são centros de diversos projetos científicos.

É o caso do plano de colonizar Marte, que estará um pouco mais perto depois que a Agência Aeroespacial Americana (Nasa) enviar em 2012 ao planeta seu robô explorador ‘Curiosity’, um passo importante para que os humanos possam estabelecer-se ali no futuro.

A mostra tem ainda uma réplica em tamanho real desse robô, além de simuladores interativos para dar uma ideia ao visitante de como será explorar o planeta vermelho e transformá-lo em um local habitável.

‘No futuro poderemos ir a Marte e começar a torná-lo um lugar mais parecido com a Terra’, revelou Shara. Segundo ele, ‘de um mundo frio e sem vida, Marte se transformará em um local de plantações, animais e humanos, o que será um apoio para nós’.

Através de uma minuciosa maquete, o museu nova-iorquino aborda o projeto de construir uma base no polo sul da Lua, já que há um ponto neste local que oferece horas de luz quase constantes e suficientes para gerar eletricidade.

Continua após a publicidade

Assim, o mundo que imaginaram cineastas como Georges Méliès (1861-1938), diretor de ‘Viagem à Lua’ (1902), é cada vez menos de ficção científica.

Méliès mostrou uma Lua habitada que recebeu o impacto de um foguete com exploradores a bordo. Agora o museu nova-iorquino revela aos visitantes um protótipo de moradia que talvez algum dia sirva de lar aos astronautas na Lua.

A exposição inclui uma reprodução do que seria um ‘elevador lunar’, uma estrutura para facilitar o transporte de humanos e mercadorias entre a base lunar e a Terra.

Outras seções da mostra tratam de explorações de uma das luas de Júpiter, que para os estudiosos poderia abrigar vida e das estrelas que ficam fora do sistema solar e contam com planetas próprios.

Apesar de os projetos serem cada vez mais próximos da realidade, o responsável pelo museu lembrou que seguem dependendo de grandes investimentos, o que amplia as dificuldades.

‘Se a Rússia, os Estados Unidos, a Europa e o Japão se unissem ao invés de investirem em projetos separadamente, poderíamos ir a Marte em 20 anos, mas se não agirem conjuntamente podemos demorar 50 ou até 100 anos’, estimou Shera.

Nesta mesma linha, a mostra aborda não só as viagens ao espaço, mas também a importância da colaboração neste tipo de projetos, ‘o que permitiu a construção, por exemplo, da estação espacial internacional’, disse Shera.

Outra vertente que explora a mostra são as viagens turísticas espaciais, com veículos como o avião que desde 2009 está sendo desenvolvido pela empresa Virgin Galactic, que projeta oferecer voos ao espaço ao preço de US$ 200 mil por passagem.

O museu ainda dedica espaço a uma exposição a missões espaciais históricas como o lançamento do satélite Sputnik em 1958, a primeira viagem do homem ao espaço, feita pelo russo Yuri Gagarin (1934-1968) em 1961, e o início em 1990 do telescópio espacial Hubble, que ainda funciona. EFE

Continua após a publicidade

Publicidade