Clique e assine a partir de 8,90/mês

Fragmentos de meteorito continuam desaparecidos

Buscas pelo corpo celeste foram interrompidas neste domingo, na Rússia

Por Da Redação - Atualizado em 6 Maio 2016, 16h22 - Publicado em 17 fev 2013, 15h37

Os fragmentos do meteorito que deixou cerca de 1.000 pessoas feridas na sexta-feira nos Urais da Rússia continuam desaparecidos e sua busca foi suspensa neste domingo, dois dias depois da queda. “Decidimos parar com as buscas”, disse o porta-voz do ministério das Situações de Emergência, Viatcheslav Ladonkin. Um grupo de mergulhadores fez buscas durante o sábado nas águas do lago Tchebarkoul, em temperaturas que chegavam aos 20 graus negativos. Acredita-se que um dos fragmentos do meteorito caiu no lago, cuja superfície congelada apresenta um buraco de seis metros de diâmetro.

Leia também:

Queda de meteorito provocou danos de US$ 30 milhões

Asteroide não foi detectado com antecedência porque estava contra a luz solar

O ministro das Situações de Emergência, Vladimir Poutchkov, que visitou a região no sábado, afirmou que o lago estava coberto por uma camada de sedimentos, que tornava as buscas impossíveis. A intenção é identificar a natureza do meteorito para explicar como sua queda pôde causar tantos estragos. Normalmente, corpos celestes queimam por completo ao entrarem em contato com a atmosfera. Leia também:

Rússia: sobe a 950 total de feridos após queda de meteorito Grupo da ONU propõe plano para detectar asteroides A agência espacial americana, Nasa, informou em seu site que o corpo celeste mediria 17 metros e pesaria 10.000 toneladas. A Nasa ressaltou ainda que o meteorito que atingiu os Urais na sexta-feira é o maior desde o que caiu em Toungouska, na Sibéria, em 1908, derrubando e queimando árvores num raio de pelo menos 20 quilômetros, cujo impacto foi sentido a longas distâncias.

Continua após a publicidade
Publicidade