Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Fósseis de 280 milhões de anos são encontrados no Brasil

Pesquisadores descobrem embriões de mesosauros, os répteis aquáticos mais antigos do mundo

Uma equipe internacional de cientistas descobriu no Brasil e no Uruguai alguns fósseis de embriões de répteis com aproximadamente 280 milhões de anos, informou nesta terça-feira o Centro Nacional de Pesquisas Científicas da França (CNRS).

Saiba mais

MESOSAURO

São os répteis aquáticos mais antigos do mundo. Eram encontrados na África e América do Sul. Os mesosauros foram a primeira evidência paleontológica da Pangeia, continente formado por África e América do Sul, entre 300 e 200 milhões de anos atrás.

Esses espécimes tinham comprimento máximo de 1,5 metro e suas características físicas incluíam cauda achatada lateralmente e narinas dorsais, semelhantes às dos jacarés.

No Brasil, fósseis desses répteis são encontrados na formação geológica de Irati, que aparece desde o Rio Grande do Sul até Goiás.

Os embriões destes répteis pré-históricos e aquáticos, denominados mesosauros, são 60 milhões de anos mais velhos que os que haviam sido registrados até agora.

O estudo, publicado na revista científica Historical Biology, apresenta novas informações sobre o modo de reprodução dos mesosauros.

A pesquisa sugere que esses répteis eram vivíparos (quando o embrião se desenvolve dentro da fêmea) e não ovíparos (quando se desenvolve em um ovo). Isso porque foi possível demonstrar que os mesosauros armazenavam os embriões no útero durante a maior parte de seu desenvolvimento.

Mas o estudo não é conclusivo: os pesquisadores também encontraram um ovo isolado, o que não permite descartar a hipótese da oviparidade. Uma possível explicação é que os mesosauros do Uruguai botavam ovos em um estado avançado de desenvolvimento.

O achado “é difícil de ser catalogado, mas provavelmente se trata, na maior parte dos casos, de embriões no útero, o que reforça a tese de que os mesosauros eram vivíparos”, explicaram os cientistas do CNRS.

A equipe é formada por Graciela Piñeiro, da Faculdade de Ciências de Montevidéu; Michel Laurin, do CNRS; e Melitta Meneghel e Jorge Ferigolo, da Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul.

(Com Agência EFE)