Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Fórum Mundial da Água começa com alertas sobre escassez de água doce

Por Mohamed Dahir
Atualizado em 6 Maio 2016, 16h43 - Publicado em 12 mar 2012, 10h34

O Sexto Fórum Mundial da Água foi inaugurado na manhã desta segunda-feira em Marselha, no sul da França, com milhares de delegados que discutirão como encontrar soluções para garantir o acesso à água doce em condições sanitárias decentes para todos no mundo.

Sob o lema “É hora de soluções”, o Fórum, que reúne durante seis dias chefes de Estado e de governo, ministros e representantes de empresas e da sociedade civil de 140 países, foi inaugurado pelo primeiro-ministro francês François Fillon.

Esta reunião sobre a água, realizada a cada três anos, foi aberta com chamados de advertência das Nações Unidas de que a mudança climática e o crescimento demográfico provocaram um aumento da pressão sobre a água, o que obriga a repensar como satisfazer esta galopante demanda do líquido.

Declarando que “os desafios são imensos e os números são tenazes”, o chefe de Governo francês lembrou que “o número de seres humanos que não têm acesso à água salubre são contabilizados em bilhões”.

Continua após a publicidade

E “o número de mortos a cada ano devido aos riscos sanitários é contado em milhões”, acrescentou Fillon. “Esta situação não é aceitável”, declarou o primeiro-ministro, que é também titular do ministério de Ecologia da França.

Diferentemente dos Fóruns sobre a água anteriores, o de Marselha promete “soluções concretas” para garantir uma distribuição equitativa da água, cujo direito foi reconhecido pelas Nações Unidas em 2010.

A reunião deverá ser concluída com propostas sobre como aliviar a crescente pressão sobre este valioso recurso e como repartir melhor a água potável, já que cerca de 800 milhões de pessoas no mundo não têm acesso a ela.

Continua após a publicidade

Entre os líderes mundiais que participarão da reunião em Marselha estão Mohammed VI do Marrocos, o chadiano Idriss Deby e o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, além de cerca de 60 ministros.

Além de líderes governamentais, chefes de empresas, associações e organizações não governamentais discutirão o tema da água, esperando chamar a atenção internacional sobre a urgência de gerir melhor os recursos hídricos.

Em Marselha também será realizado um Fórum alternativo, que reunirá centenas de organizações não governamentais. Cerca de 2 mil representantes da sociedade civil, provenientes da América Latina, Espanha, Alemanha, Europa, África e Estados Unidos participarão do encontro, que tem início na quarta-feira.

Continua após a publicidade

Como pano de fundo destas duas reuniões está o alarmante estudo da ONU apresentado nesta segunda-feira, que ressalta que as mudanças climáticas, com suas consequentes secas e inundações, estão agravando a situação da água, ao derreter as geleiras e provocar mudanças nos padrões de chuva, o que impacta seriamente nas fontes de água.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.