Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

FAO alerta que gripe aviária ameaça se expandir para Ásia e outras regiões

Por Emile Kouton Atualizado em 6 Maio 2016, 17h02 - Publicado em 29 ago 2011, 12h35

O reaparecimento em grande escala do vírus H5N1 da gripe aviária, altamente patogênico, foi denunciado nesta segunda-feira pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), que teme que o vírus se espalhe pela Ásia e em outras regiões, com um risco “imprevisível” para a saúde humana.

“É necessário aumentar a preparação e a vigilância diante de uma variante do vírus”, pediu a entidade em um comunicado.

O vírus H5N1 infectou 565 pessoas desde que apareceu pela primeira vez, em 2003, causando a morte de 311 delas, segundo números da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Desde 2003, o H5N1 provocou igualmente a morte – e obrigou a sacrificar – mais de 400 milhões de aves de criação, provocando perdas que chegam a 20 trilhões de dólares em todo o mundo, até ser eliminado na maioria dos 63 países afetados no auge da epidemia, em 2006, lembra a FAO.

“O vírus tornou-se endêmico em seis países”, sustenta a entidade, que estima que a doença se propaga nas aves de criação e silvestres.

Continua após a publicidade

“As aves silvestres podem introduzir o vírus, mas a atuação das pessoas na produção e comercialização avícola fazem com que se estenda”, afirmou Juan Lubroth, chefe veterinário da FAO.

Entre os países nos quais foram detectadas zonas afetadas recentemente figuram Israel, Palestina, Bulgária, Romênia, Nepal e Mongólia.

Outro motivo de preocupação, segundo Lubroth, é o aparecimento na China e no Vietnã de uma variante do vírus que aparentemente é capaz de se esquivar das defesas produzidas pelas vacinas existentes.

“A tendência geral desde o declive progressivo do vírus observado em 2004-2008 poderia significar um renascimento do H5N1 neste outono ou inverno, com as pessoas que encontram de forma inesperada o vírus em sua própria casa”, advertiu o especialista.

Os países nos quais o H5N1 encontra-se firmemente assentado – Bangladesh, China, Egito, Índia, Indonésia e Vietnã – enfrentarão possivelmente maiores problemas, mas não existe nenhum país que possa ser considerado a salvo, acrescentou.

“A preparação e a vigilância continuam sendo chaves. Não é o momento de ignorar o perigo. Ninguém pode baixar a guarda diante do H5N1”, ressaltou.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)