Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Fábrica de mosquitos promete reduzir casos de dengue, Zika e chikungunya

A parceria entre a Fiocruz e a World Mosquito Program possibilitará a fabricação de até 5 bilhões de mosquitos imunes a arboviroses por ano

Por Luiz Paulo Souza Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 19 abr 2023, 10h32

A transmissão de dengue, chikungunya, e Zika pelo mosquito Aedes aegypti é um problema de saúde pública que, todo ano, atinge o Brasil. Uma parceria da Fiocruz com a ONG World Mosquito Program (WMP) pode solucionar esse problema. As organizações construirão uma biofábrica que produzirá até 5 bilhões de mosquitos imunes a arboviroses por ano.

Esses mosquitos são infectados com uma bactéria do gênero Wolbachia, que os impede de transmitir os vírus causadores da dengue, da chikungunya, do zika e da febre amarela. Quando são liberados em locais onde o A. aegypti é endêmico, esses insetos protegidos se reproduzem com os mosquitos selvagens e passam o microrganismo para a prole, fazendo com que a transmissão dessas doenças reduza drasticamente. 

A tecnologia desenvolvida em Melbourne, na Austrália, já foi implantada em 12 países e se mostrou segura para os mosquitos, para os humanos e para o meio ambiente. No Brasil, os testes começaram a ser realizados em 2014, quando os mosquitos infectados com a bactéria protetora foram liberados nas cidades de Rio de Janeiro, Niterói, Belo Horizonte, Campo Grande e Petrolina. 

Em Niterói, uma das primeiras cidades onde esse experimento foi realizado, os casos de dengue, chikungunya e Zika reduziram em 76%, 56% e 37%, respectivamente. O método foi aprovado pela ANVISA em 2022, o que permitirá que instituições federais comprem e financiem a tecnologia. 

A biofábrica deverá custar R$100 milhões, que serão pagos pela WMP e pelo Instituto de Biologia Molecular do Paraná, e viabilizará a expansão desse método em todo o território nacional. Apesar do alto valor, espera-se que, dentro de alguns anos, as economias geradas pela redução de gastos médicos e afastamentos de trabalho cubram os custos da implementação.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.