Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Extinção a sangue-frio: 21% das espécies de répteis correm risco de sumir

Sem o carisma dos mamíferos, eles não recebem a mesma atenção dos humanos

Por Sabrina Brito Atualizado em 9 Maio 2022, 11h49 - Publicado em 8 Maio 2022, 08h00

Se mesmo animais fofos, peludos, bonitos e exóticos sofrem com a ação humana e correm risco de extinção, imagine seres de carapaça dura, pele enrugada, músculos fortes e dentes afiados. O maior estudo global já feito sobre os répteis, grupo que abrange lagartixas, tartarugas, crocodilos, cobras e lagartos, foi publicado na revista científica Nature e apresenta descobertas extremamente preocupantes: 21% das mais de 10 000 espécies desses animais estão sob ameaça de sumir, enquanto 31 espécies do grupo já desapareceram completamente. Riscos maiores são verificados entre as tartarugas, com quase 60%, e entre os crocodilos, com 50%.

As causas mais prováveis para o cenário incluem a destruição do hábitat dos répteis como resultado de atividades ligadas à agricultura, ao desenvolvimento urbano e à indústria madeireira, além da exploração dos animais para retirar sua carne ou pele. Segundo o estudo, mudanças climáticas também colocam em risco 10% desses bichos. A situação é tão grave que há, atualmente, mais espécies de répteis ameaçadas de extinção do que de aves ou mamíferos. Os dados foram analisados pela NatureServe, organização de pesquisa que atua há mais de cinquenta anos principalmente nos Estados Unidos, e contou com a colaboração de 52 pesquisadores do mundo, inclusive do Brasil.

artes répteis

O que nem sempre fica claro é a importância desses animais para o ecossistema em que vivem. É preciso compreender a questão para entender a gravidade do problema. “Répteis são parte fundamental dos ecossistemas naturais, pois funcionam ora como predadores, ora como presas. Portanto, estão ligados intimamente ao funcionamento e fluxo de energia e matéria na natureza, além de agir no controle de populações de diferentes grupos de organismos”, afirma Cristiano Nogueira, pesquisador do Departamento de Ecologia da USP e coautor da pesquisa.

Mesmo sendo tão essenciais para a natureza, eles não são “carismáticos” para os humanos, que costumam enxergá-los como nojentos, agressivos ou simplesmente estranhos. Para especialistas, isso é um equívoco. Afinal, alguns dos membros mais extraordinários do reino animal são parte do grupo dos répteis. O ser mais velho do mundo, por exemplo, é um réptil: a tartaruga Jonathan, com cerca de 190 anos.

Continua após a publicidade

VIVO E FORTE - O panda-gigante: projeto de preservação salvou o animal -
VIVO E FORTE - O panda-gigante: projeto de preservação salvou o animal – John Giustina/The Image Bank/Getty Images

Por que, então, a pesquisa e o interesse pelos répteis estão tão defasados em relação a outros grupos? “Além de serem animais de sangue frio e cobertos de escamas, em vez de quentinhos e peludos, os répteis são retratados como perigosos, o que reforça os sentimentos ruins que as pessoas têm em relação a eles”, explica Márcio Martins, do Departamento de Ecologia da USP e também coautor do estudo.

Apesar das descobertas sombrias, a solução pode ser bastante simples. Os cientistas chegaram à conclusão de que os mesmos esforços empregados para proteger mamíferos, aves e anfíbios (como a interdição de áreas protegidas) também beneficiam os répteis. Apesar de terem sido ignorados, esses animais provavelmente foram protegidos pelas medidas de proteção tomadas nos últimos anos.

O ideal é replicá-las no universo dos répteis. Segundo Bruce Young, cientista da NatureServe, os governos devem cumprir metas ambiciosas na luta pela biodiversidade: “Os países mais ricos precisam aumentar suas contribuições. Sabemos como prevenir a extinção, mas precisamos da vontade política.” Há exemplos bem-sucedidos. O panda, cuja extinção foi considerada iminente nos anos 1980, foi protegido e em 2021 deixou a lista de espécies ameaçadas. Mesmo sem o carisma dos ursos chineses, os répteis merecem a mesma preocupação.

Publicado em VEJA de 11 de maio de 2022, edição nº 2788

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês