Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Evolução faz cérebro humano reagir imediatamente à presença de outros animais

Pesquisadores acreditam que mecanismo tenha ajudado os primeiros homens a responderem adequadamente a ameaças ou possíveis fontes de alimento

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 17h01 - Publicado em 30 ago 2011, 22h03

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), nos Estados Unidos, descobriram que uma parte específica da amígdala – região do cérebro envolvida com a memória e respostas emocionais de estímulos externos – é ativada nas pessoas pela presença de algum animal. A explicação estaria na necessidade de humanos responderem rapidamente à ameaça ou à comida em tempos remotos. Um artigo sobre o trabalho foi publicado no periódico científico especializado Nature Neuroscience.

Glossário

  1. Amígdala – São duas pequenas regiões do cérebro – uma para cada hemisfério – em formato de amêndoa envolvidas no processamento de emoções (especialmente as emoções relacionadas à sobrevivência, como o medo) e na seleção das memórias que são armazenadas pelo cérebro.

A equipe avaliou 41 pessoas que viviam episódios frequentes de epilepsia. Elas não respondiam ao tratamento com remédios e a cirurgia era a única intervenção capaz de atenuar seus sintomas. Antes que a operação fosse realizada, no entanto, os médicos implantaram eletrodos para mapear as diferentes áreas de atividade neural – uma maneira de saber quais eram as partes do cérebro que precisavam de correção.

Neurônios da amígdala, que está situada no hemisfério direito, foram ativados quando imagens de animais foram mostradas. O mesmo não ocorreu durante a exposição de fotos de pessoas ou outros objetos. Além disso, a resposta não variou de acordo com o tamanho ou suposta agressividade do animal. Em outras palavras: tanto um pequeno coelho peludo quanto uma onça desencadeiam um mesmo processo no cérebro humano. Com a ajuda de ressonâncias magnéticas, os resultados foram confirmados em pessoas sem epilepsia.

Os pesquisadores, liderados pelo neurocientista Florian Mormann, acreditam que o mecanismo tenha ajudado humanos há muitos anos, quando a sobrevivência dependia de respostas muito rápidas ao meio hostil. Dessa forma, uma região específica do cérebro teria evoluído para lidar com situações perigosas – ou extremamente importantes – independentemente, deixando o resto do órgão ‘livre’ para processar as demais informações.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)