Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Evangelho da mulher de Jesus’ pode ser falso, diz pesquisadora

Após apuração sobre a procedência do manuscrito, Karen King, da Universidade Harvard, diz pela primeira vez que o texto, possivelmente, é uma fraude

“A balança agora pesa para o lado da falsificação”, disse a historiadora Karen L. King, da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, sobre o manuscrito que apresentou ao público em 2012, conhecido como o “Evangelho da mulher de Jesus”. Após uma longa apuração sobre a procedência do papiro, feita pela revista americana The Atlantic e publicada na edição de julho, Karen admitiu pela primeira vez que o texto, supostamente escrito no século IV contendo a frase “Jesus lhes disse, minha mulher…” pode ser uma sofisticada fraude.

Quase um ano de pesquisas feitas pelo repórter Ariel Sabar sobre Walter Fritz, um alemão que vive na Flórida e é ex- proprietário do papiro, revelou indícios de que ele pode ter forjado as inscrições. Fritz frequentou o curso de egiptologia na Universidade de Berlim, tem conhecimento sobre a língua copta, falada no Egito durante o Império Romano e na qual está grafado o manuscrito, trabalhou em um museu alemão e teria capacidade técnica suficiente para fraudar o texto.

“Ele mentiu para mim”, afirmou King, após ler a reportagem.

Leia também:
Jesus teria se casado com Maria Madalena, afirma livro
O que a história tem a dizer sobre Jesus

A história do “Evangelho da mulher de Jesus”, um pedaço de papiro de quatro por oito centímetros, sempre levantou dúvidas e discussões entre os cientistas que estudam o cristianismo primitivo. Karen L. King, conhecida historiadora dessa área, recebeu em 2012 o papiro de Fritz para conduzir uma análise sobre sua autenticidade, com a condição de manter o nome do proprietário em sigilo. Após consultar uma série de especialistas que confirmaram que o papiro era verdadeiro, Karen levou o manuscrito a uma conferência em Roma e divulgou seu conteúdo – que o Vaticano declarou como falso.

Assim que as imagens do manuscrito se tornaram públicas, alguns especialistas apontaram incongruências na caligrafia e apresentação do texto, bem como indícios de que o texto poderia ter sido copiado de outro papiro conhecido como o Evangelho de Tomé, também escrito em copta. Outra parte dos especialistas, porém, avalizou sua autenticidade e testes feitos em 2014, na Universidade Harvard, com carbono 14, no papel e tinta do manuscrito apontaram que a idade do papiro remontaria a por volta do ano 750 enquanto a tinta era muito semelhante à encontrada nos escritos da mesma época – não continha ingredientes modernos e não parecia ter sido forjado.

Apesar de o teste ser um ponto positivo para o manuscrito, ele não eliminava a possibilidade de fraude: alguém persistente o suficiente poderia fabricar a tinta com ingredientes antigos vendidos até pela internet e fabricar a inscrição. O papiro, contudo, insistia em passar nos testes científicos mais modernos.

Pornografia e misticismo – Intrigado com a falta de provas cabais de autenticidade, o repórter da The Atlantic resolveu pesquisar a fundo a procedência do “Evangelho da mulher de Jesus”. Acabou descobrindo uma peculiar história, que lembra o livro “O Código da Vinci”, incluindo seus episódios de pornografia, misticismo e mentiras.

Fritz havia dito a Karen que o manuscrito havia sido comprado do também alemão Hans-Ulrich Laukamp, proprietário de uma fábrica de peças automotivas e interessado em arte antiga. Por e-mail, Fritz também havia enviado à historiadora cópias de cartas de Laukamp, escritas por dois especialistas da Universidade Livre de Berlim afirmando que o manuscrito seria autêntico.

Investigando se Laukamp alguma vez teve em mãos o manuscrito e buscando os originais das cartas, o repórter nada encontrou. Contudo, descobriu que Laukamp e Fritz haviam sido sócios na fábrica e que Fritz era um ex-aluno de egiptologia da Universidade Livre de Berlim. Percebendo indícios de que Fritz jamais havia comprado um manuscrito de Laukamp e tinha conhecimento suficiente para ter forjado as cópias e assinaturas, o repórter decidiu abordar Fritz.

O alemão é casado com uma mulher que escreveu livros de “escrita automática” e que diz transmitir mensagens angelicais. Além disso, o casal manteve, por anos, um site pornográfico que a exibia fazendo sexo grupal. Nas conversas do repórter com Fritz, o entrevistado contou que havia sido abusado por um padre quando jovem e foi enfático ao afirmar que os Evangelhos que consideram Maria Madalena como uma figura importante para o cristianismo (os chamados Evangelhos gnósticos) seriam historicamente mais confiáveis que os da Bíblia. Por fim, convidou o repórter a escrever um livro nos moldes de “O Código da Vinci” no qual Fritz apenas daria as ideias, mas jamais apareceria (“uma armadilha que poderia arruinar minha carreira”, escreve o repórter, comparando a estratégia de Fritz com a que foi utilizada com Karen).

Após a publicação da reportagem com todos os fatos novos sobre a história de Fritz e do manuscrito, a historiadora Karen King afirmou que tende a acreditar que o manuscrito é uma falsificação. “Obviamente, não tinha ideia de quem era esse sujeito”, afirmou Karen ao The Atlantic. “Sua reportagem me ajudou a ver que a proveniência pode ser investigada.”

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Flavio Oliveira Melo

    imaculada: S.F. ou ADJ. Que não é manchada, que é pura.

    Curtir

  2. Tiburtino Lacerda

    Grande coisa, se esse Evangelho for FALSO.Afinal, TUDO, em matéria de religião, é TÃO AUTÊNTICO, quanto uma CÓPIA de uma cédula, de TRÊS REAIS.

    Curtir