Clique e assine a partir de 9,90/mês

Estudo reúne melhores práticas para pesquisa com animais

Cientistas identificam diretrizes e procedimentos que podem aumentar a taxa de sucesso de experimentos com cobaias, que hoje é de 11%

Por Da Redação - Atualizado em 6 maio 2016, 16h18 - Publicado em 24 jul 2013, 14h07

Pesquisas científicas com animais são importantes para o desenvolvimento de medicamentos e tratamentos para seres humanos. Elas costumam servir como um primeiro passo para estudar a segurança e a viabilidade das terapias, antes de testá-las em cobaias humanas. Um novo estudo, no entanto, mostra que a taxa de sucesso nesse tipo de pesquisa é baixa – apenas 11% das substâncias que são aprovadas para serem testadas em humanos acabam tendo aplicação clínica.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Threats to Validity in the Design and Conduct of Preclinical Efficacy Studies: A Systematic Review of Guidelines for In Vivo Animal Experiments

Onde foi divulgada: periódico PLoS Medicine

Continua após a publicidade

Quem fez: Valerie C. Henderson, Jonathan Kimmelman, Dean Fergusson, Jeremy M. Grimshaw e Dan G. Hackam

Instituição: Universidade McGill, Canadá

Dados de amostragem: 2.029 estudos e recomendações sobre pesquisas com animais

Resultado: Os pesquisadores identificaram 26 diretrizes, com 55 procedimentos diferentes que podem ajudar a aumentar as taxas de sucesso das pesquisas

Continua após a publicidade

Segundo os pesquisadores, isso é causado, em parte, por conta de pequenos erros e desvios nos testes com animais. O resultado disso é o uso desnecessário dessas cobaias – desperdiçando os animais – e a ameaça à saúde dos humanos em que a substâncias são testadas em seguida. Pensando nisso, os cientistas publicaram nesta terça-feira, na revista PLoS Medicine, um estudo identificando medidas e procedimentos experimentais que podem melhorar o índice de aproveitamento dessas pesquisas.

Para isso, os autores fizeram uma revisão dos estudos e documentos divulgados por cientistas de todo o mundo a fim de melhorar as pesquisas com animais. Eles encontraram 26 diretrizes e 55 procedimentos que podem ajudar a aumentar as taxas de sucesso das pesquisas.

A maioria das recomendações já é seguida por pesquisadores, mas os autores defendem que passem a ser cobradas pelas instituições de pesquisa, revistas científicas e agências de financiamento. Entre as recomendações estão o uso de cálculos estatísticos para saber qual o número ideal de amostras animais a serem estudadas e a alocação aleatória dos animais em suas gaiolas, para que eles sejam afetados de modo semelhante pelos fatores ambientais como luz e temperatura ambiente.

Além disso, os pesquisadores sugerem que, antes de a pesquisa ser iniciada, seja realizado um estudo aprofundado do modo como as doenças se expressam nos animais a serem utilizados. Segundo a médica veterinária Luiza Macedo Braga, membro do Conselho Nacional de Controle da Experimentação Animal (CONCEA), a medida é necessária, pois a biologia de cada cobaia pode interferir na expressão da doença e em seu tratamento. “Quando vamos escolher um modelo animal, buscamos um que mimetize as formas humanas da doença. Existem, por exemplo, animais com uma predisposição natural para desenvolver certos tipos de tumor. Não adianta utilizá-los para testar tratamentos contra o câncer”, afirma.

Continua após a publicidade

Opinião do especialista

Marcelo Morales

Coordenador do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA)

“O artigo é interessante, mas tem de ser visto com cautela. Ele é uma revisão de várias recomendações já divulgadas, e não podemos pensar que todas são verdades absolutas, válidas para todos os estudos. É um excelente compêndio, no qual os pesquisadores podem se basear para ver o que é adequado para sua pesquisa específica, tanto para preservar os próprios animais quanto os seres humanos.

Continua após a publicidade

“Parte das sugestões já fazem parte das boas práticas de pesquisas com animais e são utilizadas nos melhores laboratórios. O Brasil tem regras claras: o animal não pode sofrer de modo algum. Todo protocolo de pesquisa tem de passar por aprovação e algumas das medidas sugeridas pelos pesquisadores fazem parte dos pré-requisitos exigidos no país.”

Publicidade