Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Estudo mostra que as pessoas são mais desonestas durante a tarde

Cansaço e tomada repetitiva de decisões ao longo do dia podem prejudicar o autocontrole, criando um fenômeno denominado “efeito de moralidade matinal"

Por Da Redação - Atualizado em 6 maio 2016, 16h16 - Publicado em 30 out 2013, 11h27

Um novo estudo feito nos Estados Unidos mostrou que as pessoas tendem a ser mais honestas de manhã. Ao longo do dia, porém, fica mais difícil manter o autocontrole, o que aumenta as chances de uma pessoa mentir ou trapacear. Os pesquisadores denominaram esse fenômeno de “efeito de moralidade matinal” em seu artigo, publicado nesta segunda-feira, no periódico Psychological.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: The Morning Morality Effect: The Influence of Time of Day on Unethical Behavior

Onde foi divulgada: periódico Psychological

Publicidade

Quem fez: Maryam Kouchaki e Isaac H. Smith

Instituição: Universidade Harvard e Universidade de Utah, nos EUA

Resultado: O estudo mostrou que as pessoas tendem a ser mais honestas de manhã, em um fenômeno denominado “efeito de moralidade matinal”. O cansaço e tomada repetitiva de decisões podem explicar a dificuldade em manter o autocontrole ao longo do dia.

A ideia para esta pesquisa surgiu quando Maryam Kouchaki, da Universidade Harvard, e Isaac Smith, da Universidade de Utah, ambos estudiosos da ética, perceberam que os experimentos realizados pela manhã apresentavam índices mais baixos de comportamentos desonestos, em relação àqueles realizados durante a tarde.

Publicidade

Como o cansaço e o ato e tomar decisões repetidamente são dois fatores conhecidos por afetar o autocontrole, Kouchaki e Smith decidiram analisar se as atividades normais de um dia seriam suficientes para afetar o autocontrole e provocar comportamentos desonestos.

Moralidade matinal – No primeiro experimento, eram apresentados aos participantes padrões com pontos em uma tela de computador, e eles deveriam escolher o lado que tivesse mais pontos. Porém, a recompensa que eles receberiam no final não seria medida pelo número de acertos: eles seriam pagos 10 vezes mais quando selecionassem o lado direito. Assim, os participantes tinham um incentivo financeiro para escolher a direita, mesmo sabendo haver mais pontos do lado esquerdo – o que configuraria trapaça.

Os resultados mostraram que os participantes que fizeram o teste entre as oito da manhã e o meio-dia trapacearam menos do que aqueles que realizaram a mesma atividade entre o meio-dia e as seis da tarde. Os pesquisadores denominaram esse fenômeno de “efeito de moralidade matinal”.

No segundo teste, eram apresentados aos participantes fragmentos de palavras, como em um jogo de forca. Para combinações como “_ _RAL” e “E_ _ _ C_ _”, as pessoas que fizeram o teste de manhã estavam mais propensas a formar as palavras “moral” e “ético” (“ethical“, em inglês), enquanto os voluntários da tarde tendiam a completar com palavras como “coral” e “efeitos” (“effects“, em inglês).

Publicidade

Segundo os autores, as pessoas mais afetadas pela moralidade matinal são aquelas normalmente mais propensas a serem honestas e a se sentirem culpadas quando fazem algo considerado antiético. “Empresas, por exemplo, podem precisar ser mais vigilantes no combate de comportamentos antiéticos de clientes e funcionários durante a tarde do que pela manhã”, explicam os pesquisadores. “Se você estiver tentando controlar suas próprias tentações ou for um pai, professor ou líder preocupado com o comportamento ético de outras pessoas, nosso estudo sugere que pode ser importante em levar em consideração algo tão banal quanto o período do dia”.

Leia também:

‘Arte de enganar’ vem de área específica do cérebro, diz estudo

Julgamentos morais são mais rápidos e extremos do que os pragmáticos

Publicidade