Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Estudo aponta que poluição pode causar 1 milhão de óbitos fetais por ano

Resultados de pesquisa global feita pela Universidade de Pequim, na China, apontaram a presença de partículas tóxicas nos cérebros e pulmões dos fetos

Por Marilia Monitchele
30 nov 2022, 09h15

Um estudo feito em 137 países da América Latina, África e Ásia aponta que quase metade dos óbitos fetais podem estar ligados à exposição à poluição. Isso significa cerca de um milhão de mortes prematuras anuais causadas principalmente pela poluição do ar decorrente da queima de combustíveis fósseis.

A pesquisa, desenvolvida pela Universidade de Pequim, na China, é o primeiro estudo global sobre o assunto, e foi baseada em dados de óbito de mais de 45.000 bebês natimortos e nascidos vivos nos três continentes, que concentram aproximadamente 98% das mortes fetais. Os resultados apontaram para a presença de partículas tóxicas de poluição nos cérebros e pulmões dos fetos.

Em 2018, foram detectadas pela primeira vez partículas tóxicas semelhantes em placentas. Nessas circunstâncias já era conhecida a relação entre a poluição e o aumento de abortos, partos prematuros e subpeso fetal, além de atrasos no desenvolvimento cerebral do bebê. O estudo observou um impacto maior em gestações de mulheres mais velhas, mas não explorou como a contaminação por pequenas partículas de poluição podem resultar em natimortos.

Um relatório publicado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) em 2020 classifica os óbitos fetais como uma “tragédia negligenciada“. Os esforços atuais para reduzir o número de mortes prematuras de bebês focam apenas nos serviços médicos, enquanto fatores ambientais são praticamente ignorados.

De acordo com o time de pesquisadores liderado pelo cientista ambiental Tao Xue, o cumprimento das metas de qualidade do ar da Organização Mundial da Saúde (OMS) pode evitar um número considerável de óbitos fetais.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.