Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Estudo afirma que genes podem determinar quantidade de filhos de uma pessoa

Cientistas descobriram correlação entre a quantidade de filhos e netos de um indivíduo

Por Da Redação - Atualizado em 6 maio 2016, 16h15 - Publicado em 8 jan 2014, 15h35

A quantidade de filhos que uma pessoa é capaz de ter, denominada sucesso reprodutivo, costuma ser considerada uma medida de saúde física, e não uma predisposição genética. Mas um novo estudo sugere que os genes também influenciam o número de descendentes que alguém pode gerar. A descoberta foi descrita em um artigo publicado no periódico PNAS.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Perfect genetic correlation between number of offspring and grandoffspring in an industrialized human population

Onde foi divulgada: periódico PNAS

Publicidade

Quem fez: Brendan P. Zietsch, Ralf Kuja-Halkola, Hasse Walum e Karin J. H. Verweij

Instituição: Universidade de Queensland, na Austrália, e outras

Dados de amostragem: dados genéticos de 16 268 gêmeos suecos nascidos entre 1915 e 1929, e seus filhos

Resultado: A genética pode influenciar o número de filhos que uma pessoa terá ao longo da vida

Publicidade

Segundo os pesquisadores, se um indivíduo tem, por exemplo, cinco filhos, as chances maiores seriam de que cada um deles gerasse a mesma quantidade de descendentes – isso sem levar em consideração o uso de métodos anticoncepcionais.

Leia mais:

Mamíferos “escolhem” o sexo de seus filhotes, diz estudo

Divórcio é pior para a relação entre pais e filhos quanto mais nova for a criança

Publicidade

Estudo – Para chegar a esta conclusão, os pesquisadores analisaram dados genéticos de 16.268 gêmeos suecos nascidos entre 1915 e 1929, e seus filhos. Levando em consideração diferenças naturais entre os gêneros, controle de natalidade e o ambiente, eles descobriram que havia pouca diferença entre o número de filhos que os gêmeos tiveram e a quantidade de descendentes gerados pelos seus filhos. Eles então cruzaram o número de filhos e netos dos gêmeos e descobriram que essa correlação era mais precisa para gêmeos idênticos – o que indica o papel da genética.

Segundo os cientistas, essa descoberta pode significar que os estudos que usam a quantidade de filhos para medir a saúde física das pessoas talvez estejam incorretos, uma vez que, além da saúde, o fator genético também parece ter seu papel no sucesso reprodutivo de um indivíduo.

Publicidade