Clique e assine a partir de 9,90/mês

Em madrugada conturbada, Brasil anuncia texto da Rio +20

Delegados precisam examinar conteúdo e decisão fica para plenária às 10h30

Por Marco Túlio Pires e Luís Bulcão, do Rio de Janeiro - Atualizado em 6 May 2016, 16h33 - Publicado em 19 Jun 2012, 04h42

“Como eu posso saber se vamos concordar se eu não tenho o texto? Estamos dispostos e de boa vontade. Não queremos sair daqui sem um acordo. Mas nós precisamos ver o texto antes da reunião.”

Janez Potonik, comissário da União Europeia

O retrato da desorientação causada pela delegação brasileira no início da madrugada desta terça-feira, no Riocentro, onde ocorrem as negociações para o documento final da Rio +20, foi representado pelo comissário da União Europeia, Janez Potocnik, encarregado de chefiar a delegação do bloco até a chegada dos chefes de estado para a cúpula desta quarta-feira.

Sem ter acesso à versão atualizada do texto em negociação, Potocnik aguardava do lado de fora da sala onde deveria ter ocorrido a última plenária marcada pelo Brasil para as 23 horas. Até as 2 horas, o encontro não tinha começado e Potocnik não havia tido acesso ao texto. “Como eu posso saber se vamos concordar se eu não tenho o texto?”, indagava. “Estamos dispostos e de boa vontade. Não queremos sair daqui sem um acordo. Mas nós precisamos ver o texto antes da reunião.”

Continua após a publicidade
Membros da delegação turca dormem à espera do início da plenária marcada pelo Brasil

As manobras do Itamaraty, que assumiu a coordenação das negociações após a falha no processo conduzido pela ONU, foram, no mínimo, desconcertantes. No sábado, o Brasil entregou um texto limpo, sem as contestações marcadas no documento até então coordenado pelas Nações Unidas. As negociações recomeçaram tendo como base o documento do Brasil, que colocou para a madrugada desta terça o limite final para se chegar ao acordo.

A última plenária para a formulação do texto estava marcada para a sala P3-2, do Pavilhão 3 do Riocentro. Contudo, por motivo desconhecido, os delegados foram informados de que o encontro ocorreria em outra sala idêntica, localizada logo em frente. Todos os participantes tiveram seus crachás conferidos pela segurança mais uma vez na sala P3-1.

Por volta de 1 hora da madrugada, a reunião ainda não havia começado e alguns delegados já estavam incrédulos. “Eles vão cancelar a reunião e pedir que voltemos ao meio dia”, apostou uma representante da sociedade civil. A partir daí, alguns delegados dormiram apoiados sobre as mesas, outros cantaram e teve até quem perdeu o celular e utilizou o microfone da plenária para tentar encontrá-lo.

À 1h53 um assessor do Itamaraty tomou o microfone e disse: “O ministro Antônio Patriota descerá em 10 minutos para falar à plenária sobre os avanços nos trabalhos.” Incrédula, a plenária ensaiou um misto de vaia com frustração. “Avanços nos trabalhos? Não é possível”, exclamavam os membros da delegação turca.

Continua após a publicidade

In English: VEJA special issue about the UN Conference on Sustainable Development

Negociadores descansam antes do início da plenária

Às 2h18, o ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira e o secretário-geral da Rio +20, Sha Zukang entraram na sala lotada. Rapidamente, os delegados começaram a acordar os colegas acenando para a entrada da comitiva brasileira. Patriota pegou o microfone, agradeceu a paciência de todos e disse: “Temos um texto para entregar aos chefes de estado.”

Após um atraso superior a três horas, a plenária durou apenas 120 segundos. De acordo com Patriota, o texto fica à disposição das delegações até as 7 horas da manhã desta terça-feira. O ministro marcou para às 10h30 a última plenária para apreciação final do documento. O chanceler havia inicialmente sugerido um horário 30 minutos antes, mas ouviu protestos dos delegados e representantes da sociedade civil pelo curto espaço de tempo para descansar. “Vocês terão um pouco mais de tempo, para aqueles que querem correr na praia”, brincou o ministro.

Logo após a quase-plenária, ao conceder entrevista à imprensa, Patriota não confirmou se havia consenso em torno do novo texto. “Temos que dar a oportunidade para que as delegações o examinem com cuidado”, limitou-se a dizer.

Continua após a publicidade

LEIA TAMBÉM:

Rio+20 teme o fantasma de Copenhague

Em três dias, Rio+20 enfrenta divergências que resistiram a quatro rodadas de negociação

Continua após a publicidade

Publicidade