Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ejeções de plasma causam terremotos na superfície do Sol

Astrônomos analisaram terremoto solar mil vezes mais potente do que o que atingiu o Japão em março de 2011

A primeira observação de um terremoto solar foi divulgada nos anos 1990. Assim, foi descoberto que explosões na atmosfera do Sol, conhecidas como erupções solares, podem produzir ondas sísmicas, à maneira dos terremotos que atingem o planeta Terra. Agora, um estudo liderado pelo University College London, na Inglaterra, descobriu um tipo específico de erupção solar capaz de causar tais abalos.

Saiba mais

ERUPÇÃO SOLAR

As tempestades solares, ou erupções solares, são explosões na superfície do Sol. Elas são causadas por mudanças repentinas no campo magnético do astro e têm um ciclo de intensidade de 11 anos. A atividade faz com que radiação eletromagnética atinja o planeta Terra, em forma de uma nuvem de radiação – podendo vir como partículas ou radiação eletromagnética – que viaja pelo espaço em altíssima velocidade. Nos casos em que a energia é mais alta, as tempestades podem afetar sistemas da Terra, como satélites ou redes de energia.

EJEÇÃO DE MASSA CORONAL

O fenômeno solar conhecido como ‘ejeção de massa coronal’ é o responsável por ejetar bolhas de plasma do Sol, mas precisamente da coroa solar (envoltório luminoso do astro, observado apenas durante eclipses), ao longo de várias horas. O plasma ejetado, constituinte dessa coroa solar, é composto primariamente de elétrons e prótons, com pequenas quantidades dos elementos químicos hélio, oxigênio e ferro.

Os terremotos solares são formados pelo impacto de poderosos raios de partículas que viajam no interior do Sol. A nova pesquisa – divulgada nesta sexta-feira durante a conferência National Astronomy Meeting 2012, na cidade britânica de Manchester – mostrou pela primeira vez que erupções conhecidas como ‘ejeções de massa coronal‘ são capazes de produzir os tais terremotos no astro.

Os pesquisadores analisaram uma erupção deste tipo ocorrida em 15 de fevereiro de 2011, por meio de imagens captadas pelo satélite SOHO, na órbita do Sol. Eles perceberam que um terremoto mil vezes mais potente do que o que atingiu o Japão há um ano foi desencadeado nas duas extremidades do campo magnético do Sol. Assim, a equipe constatou que ejeções de massa coronal podem desempenhar papel importante na geração dos tremores. A ejeção em questão foi lançada pelo Sistema Solar em direção à Terra a uma velocidade média de 600 quilômetros por segundo.

“Terremotos solares foram previstos pela primeira vez em 1972 e têm sido vistos na superfície do Sol como ondulações muito parecidas com aquelas produzidas quando uma pedra é jogada na água”, diz Dr. Sergei Zharkov, coordenador do estudo. “No entanto, eles são causados pela liberação súbita de energia abaixo da superfície do Sol, produzindo ondas que viajam em direção à superfície”, explica.

No vídeo abaixo, imagens da SOHO mostram o terremoto solar:

Eventos espetaculares como os abalos sísmicos solares estão ajudando os cientistas a entender como a energia é transportada da atmosfera do Sol, passando pela sua superfície até o seu interior. Com a atividade solar aumentando continuamente, podendo chegar a seu auge em 2013, mais terremotos poderão ser observados, ajudando a desvendar os mecanismos que os causam.