Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

“É inacreditável”, diz ganhador do Nobel de Física

A pesquisa do trio de cientistas que recebeu o Nobel, o LED azul, possibilitou a criação de uma fonte de iluminação econômica, durável e sustentável

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h09 - Publicado em 7 out 2014, 13h19

Três cientistas dividiram o prêmio Nobel de Física este ano: os japoneses Isamu Akasaki, Hiroshi Amano e o japonês naturalizado americano Shuji Nakamura. A invenção do trio, a criação da luz LED azul, nos anos 1990, permitiu que, atualmente, a tecnologia esteja ao nosso redor: de leitores de blu-ray e telas de celulares aos semáforos das ruas.

“É inacreditável”, disse Nakamura, quando a Fundação Nobel ligou para fazer o anúncio do prêmio. “É muito satisfatório ver que meu sonho de uma iluminação LED se tornou realidade.”

Morando na Califórnia, nos Estados Unidos, o cientista recebeu a notícia no meio da madrugada e ficou muito surpreso. Seu perfil é bastante diferente dos ganhadores tradicionais do prêmio, normalmente concedido a pesquisadores que se dedicam exclusivamente ao meio acadêmico. Nakamura realizou seus trabalhos de pesquisa nos anos 1990 em uma pequena empresa japonesa, a Nichia Chemicals. No início, recebeu apenas 200 dólares por sua invenção. Mais tarde, emigrou para os Estados Unidos para dar aulas na Universidade da Califórnia em Santa Bárbara (UCSB) e adquiriu a nacionalidade americana.

“Espero que as lâmpadas LED ajudem a reduzir o uso de energia e reduzam o custo da energia elétrica em todo o mundo”, afirmou.

Leia também:

“Ainda estou em estado de choque”, diz vencedor do Nobel de Medicina

Continua após a publicidade

Isamu Akasaki, professor emérito da Universidade Meijo, no Japão, foi homenageado nesta manhã pela universidade e agradeceu os outros dois cientistas pelo prêmio. “Não fiz nada sozinho”, disse.

O terceiro cientista que foi agraciado com o Nobel, Hiroshi Amano, que trabalha junto com Akasaki na Universidade de Nagoya, estava em um avião entre o Japão e a França, e não conseguiu receber a notícia no momento do anúncio.

Relevância – Há alguns anos a comunidade acadêmica esperava que o Nobel de Física fosse concedido para pesquisadores que trabalham com LED (Light-Emitting Diode ou Diodo Emissor de Luz). Foi a criação do LED azul nos anos 1990 pelos três pesquisadores que permitiu que a tecnologia seja hoje amplamente usada na iluminação.

“A maior importância da pesquisa desses cientistas é que, com o LED azul, foi possível criar uma luz econômica, de alta durabilidade e que não agride o ambiente”, diz Euclydes Marega Júnior, professor do Instituto de Física de São Carlos, da Universidade de São Paulo (USP) e pesquisador do Centro de Pesquisa em Óptica e Fotônica.

“Eles conseguiram desenvolver um material, o nitreto de gálio, que é altamente eficiente. Nos últimos cinco anos, essa tecnologia se tornou mais barata e, hoje, o LED azul é muito usado para produção de luz branca em iluminação pública ou no flash do celular”, explica o professor.

A vida útil de um LED pode chegar a 100 000 horas, enquanto a de uma lâmpada fluorescente é de 5 000 horas e a de um bulbo incandescente é de 500 horas. Além disso, o consumo é de apenas 30% da fluorescente. Antes, para obter uma boa iluminação para uma sala de estar com as lâmpadas clássicas eram necessários 75 watts. Com a tecnologia LED, o mesmo efeito é alcançado com uma lâmpada de 6 watts, o que reduz consideravelmente o consumo. A luz azul é usada ainda em aparelhos de blu ray, telões de campos de futebol ou semáforos.

“Será difícil encontrar uma luz melhor que essa”, afirmou o físico Per Delsing, da Universidade de Tecnologia Chambers e responsável pelo comitê de física do Nobel após o anúncio. “E, certamente, nos próximos anos, ela ainda será aprimorada.”

(Com AFP)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês