Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dinossauros usavam penas para cortejar parceiros

Pesquisa mostra que o 'Similicaudipteryx' tinha uma estrutura na cauda parecida com a de pavões, que servia para sustentar um grande leque de penas

Pesquisas recentes têm questionado a imagem que a cultura popular – Hollywood, em particular – faz dos dinossauros. Em vez de lagartos gigantescos, eles se pareceriam mais aos pássaros modernos, com seus corpos cheios de penas. Mais que isso, os estudos têm demonstrado que, como em algumas aves, as penas ostentadas pelos dinossauros poderiam ter função meramente reprodutiva, para ajudar na hora do cortejo e acasalamento.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Oviraptorosaur tail forms and functions

Onde foi divulgada: revista Acta Palaeontologica Polonica

Quem fez: W. Scott Persons, IV, Philip J. Currie, and Mark A. Norell

Instituição: Universidade de Alberta, no Canadá

Dados de amostragem: Fósseis de quatro espécies de oviraptorossauros

Resultado: Todos os quatro dinossauros apresentavam uma estrutura na ponta de sua cauda semelhante à usada pelos pavões para carregar seu grande leque de penas. Nos fósseis do Similicaudipteryx, foram encontradas penas na região, fornecendo mais evidências de que elas eram usadas para o cortejo e o acasalamento.

Uma nova pesquisa publicada nesta sexta-feira na revista Acta Palaeontologica Polonica mostra mais evidências de que as penas eram importantes para a reprodução desses animais. Após analisar os ossos fossilizados das caudas de quatro espécies de dinossauros, os pesquisadores concluíram que havia ali uma estrutura para sustentar um grande leque de penas, como a dos pavões e perus.

Os paleontólogos estudaram uma fusão nas últimas vértebras das caudas de quatro espécies de oviraptorossauros, dinossauros herbívoros de duas pernas que habitavam as atuais regiões da China e Mongólia durante o período Cretáceo. Segundo a pesquisa, apesar de algumas espécies serem separadas por cerca de 45 milhões de anos, todas possuíam a mesma estrutura na ponta da cauda. “A estrutura é chamada de pigóstilo. Entre todos os animais modernos, apenas os pássaros a possuem”, afirmou Scott Persons, paleontólogo da Universidade de Alberta e autor do estudo.

Reconstituição – De todos os fósseis analisados, apenas o de uma espécie guarda evidências de penas. Os restos do Similicaudipteryx, um dos primeiros oviraptorossauros, mostram penas saindo justamente dos ossos fundidos na ponta de sua cauda. Como ele não era um dinossauro voador, os pesquisadores concluíram que as penas deveriam ter outra função. Uma pesquisa anterior, publicada na revista Nature em abril de 2010, já havia mostrado que o Similicaudipteryx trocava de penas durante o seu desenvolvimento, um padrão diferente das aves atuais.

Saiba mais

DINOSSAUROS

Grupo de répteis gigantes extintos que surgiu por volta de 225 milhões de anos atrás e viveu até cerca de 65 milhões de anos atrás, quando todos os dinossauros não avianos (ou seja, exceto as aves) foram extintos. Apresentavam pernas dispostas como colunas abaixo do corpo (e não voltadas para os lados, como nos jacarés). Apesar de seus fósseis serem conhecidos há milhares de anos (a lenda dos dragões veio daí), o termo dinossauro (deinos=terrível, saurus=lagarto) só foi criado em 1842, pelo primeiro curador do Museu de História Natural de Londres, Richard Owen.

CRETÁCEO

Última etapa da chamada “Era dos Dinossauros” compreendida entre 145 e 65,5 milhões de anos atrás.

OVIRAPTOROSSAUROS

Dinossauros herbívoros e onívoros de tamanho que variava entre pequeno e médio que viveram no período Cretáceo, no Hemisfério Norte. Alguns voavam.

Segundo Scott Persons, essa penas tinham uma função reprodutiva, e a estrutura de ossos em sua cauda servia para que o animal chacoalhasse o grande leque de plumas. As vértebras individuais na base da cauda eram pequenas e numerosas, indicando grande flexibilidade. Ao comparar a estrutura com a dos répteis e aves modernos, Person concluiu que o dinossauro tinha grandes músculos nessa região, com um número suficientemente grande de conexões com as vértebras para balançar as penas vigorosamente para os lados e para cima.

Leia também:

Descoberto fóssil do maior dinossauro com penas