Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Curiosity envia imagens de Marte e jipe-robô ganha até perfil nas redes sociais

Missão em busca de indícios de vida em Marte está sendo documentada em imagens divulgadas diariamente pela Nasa, e até no mundo virtual o Curiosity ganhou vida

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h28 - Publicado em 9 ago 2012, 12h55

O jipe-robô Curiosity, da Nasa (agência espacial americana), que pousou em Marte nesta semana, está documentando a missão no planeta vermelho com imagens em alta resolução, panorâmicas e até 3D. Ele já ganhou um perfil na rede social Facebook e outro no Twitter, onde a equipe da Nasa publica as novidades da missão como se fosse o próprio Curiosity relatando a aventura em primeira pessoa.

O robô está equipado com câmeras localizadas na “cabeça”, ou mastro. Em uma das imagens em alta resolução, divulgada em preto e branco, é possível ver a topografia da cratera onde o Curiosity foi enviado em busca de indícios de vida, com escarpas e planícies. Em frente, surge uma cordilheira de suaves colinas que marca os limites da cratera Gale. Segundo a Nasa, a imagem mostra duas depressões que “provavelmente foram escavadas pela onda expansiva dos propulsores durante a descida do Curiosity”.

Veja vídeo: Nasa divulga vídeo com o pouso do Curiosity em Marte

Mais fotos: Curiosity, a busca por vida em Marte

Curiosity sombra

Sombra – Outra imagem em alta resolução mostra a sombra do mastro e a “cabeça” do Curiosity sobre a superfície de Marte. No Facebook, Curiosity escreveu: “Atenção! Meu mastro acionou perfeitamente. Estou dando uma olhada em volta, registrando umas imagens como essa [da minha sombra]”

Panorâmica – A câmera do Curiosity também está registrando imagens panorâmicas de Marte – por enquanto, poucos quadros já chegaram à Terra em alta resolução. Segundo a Nasa, o centro de controle da agência espacial recebe a informação primeiro em baixa resolução e pouco a pouco vai atualizando os detalhes das imagens. As primeiras imagens que transmitiu logo após aterrissar foram em preto e branco e em baixa resolução, tiradas com pequenas câmeras instaladas na sonda para detectar possíveis danos em suas rodas.

Curiosity Panorâmica

Cores – A câmera em cores do Curiosity está enviando, por enquanto, imagens não muito nítidas. O sistema, chamado de Mars Hand Lens Imager (MAHLI), ainda está com o protetor contra o pó marciano acoplado e, em breve, deverá se desfazer dessa proteção e enviar imagens mais nítidas do planeta. No entanto, um quadro do vídeo gravado durante a descida do Curiosity, em cores e em alta resolução, foi divulgado pela Nasa, mostrando o momento em que o escudo protetor do jipe-robô é retirado na descida ao planeta vermelho.

Descida Curiosity
Curiosity frente 3D

Curiosity – O robô Curiosity, que aterrissou com sucesso nesta segunda-feira em Marte após uma viagem de 567 milhões de quilômetros, é o explorador móvel mais complexo enviado pela Nasa ao espaço.

Enquanto as pesquisas realizadas anteriormente em Marte com as naves Viking I e II e os robôs Spirit e Opportunity se concentraram na busca por água, o objetivo da Curiosity é buscar sinais de vida durante os próximos dois anos.

Continua após a publicidade

O robô está equipado com o MSL (Laboratório Científico Marciano, na sigla em inglês), composto por uma dezena de instrumentos de análise para examinar o solo, as rochas e a atmosfera do planeta, que inclui um laser para pulverizar fragmentos de rochas que possam atrapalhar suas tarefas e um aparelho projetado para detectar compostos orgânicos.

O Curiosity está acoplado em um robô com seis rodas, que mede dois metros de altura, e quase três metros de largura, com três metros de comprimento. A “maquininha” pesa quase uma tonelada, cinco vezes mais que seus antecessores Spirit e Opportunity.

O nome Curiosity foi sugerido em 2009 por uma estudante do Kansas, Clara Ma, em um concurso realizado pela Nasa no qual recolheu as propostas de mais de nove mil crianças de todo o país.

A aproximação final do Curiosity ao Planeta Vermelho, conhecida como os ‘sete minutos de terror’, era a missão robótica mais complicada jamais tentada pela Nasa, devido às características do explorador.

Como um “transformer”, desde que entrou na atmosfera marciana a 21,5 mil quilômetros por hora, a cápsula deixou de ser um cone envolvido em temperaturas de quase 900 graus centígrados para se transformar em uma grua flutuante sobre oito foguetes – tudo em 420 segundos.

O Curiosity pousou ao pé do monte Sharp, que se eleva sobre 5,5 mil metros no centro da cratera Gale, aberta há três bilhões de anos pelo impacto de um meteorito e que, acredita-se, um dia abrigou um lago.

O estudo das diferentes camadas geológicas do monte Sharp, autêntica testemunha da história de Marte, é um dos principais objetivos da missão.

O Curiosity tem uma fonte nuclear de energia que lhe permitirá seguir operando por todo um ano marciano, equivalente a 23 meses da Terra. O custo da missão é de cerca de 2,5 bilhões de dólares.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade