Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Conheça o arranha-céu do futuro que fica pendurado em asteroide

Uma empresa americana idealizou como seria o primeiro prédio com bases instaladas a 50.000 quilômetros do solo, presas a um asteroide na órbita da Terra

Já imaginou como seria morar em um prédio flutuante? Uma construção tão alta que sua base está a 50.000 quilômetros do solo, no espaço? No futuro, isso talvez possa se tornar realidade. A empresa americana Clouds Architecture Office – a mesma que projetou essas incríveis casas de gelo para abrigar pessoas em Marte – acaba de lançar sua mais nova e ambiciosa ideia: um arranha-céu que fica pendurado em um asteroide. Batizada de Analemma, a torre teria seu andar mais alto a 32.000 metros do chão e ficaria em constante movimento – o que significa que seu endereço poderá ser em qualquer parte da Terra.

“Desde que os humanos saíram das cavernas, nossos prédios têm se tornado cada vez mais altos e leves. Nós acreditamos que, um dia, os arranha-céus vão se libertar da superfície da Terra, nos livrando de enchentes, terremotos e tsunamis”, disse Ostap Rudakevych, designer do projeto, em entrevista à CNN. “Analemma é uma ideia especulativa de como isso pode ser atingido no futuro.”

Veja também

Para sustentar o prédio, cabos ultrarresistentes seriam acoplados ao asteroide. Depois, a estrutura seria colocada em órbita geossíncrona (quando sua rotação acompanha exatamente a rotação da Terra), permitindo que as pessoas tenham uma vista diferente a cada momento do dia, viajando do hemisfério norte ao sul. A cada 24 horas, a torre retornaria exatamente ao seu ponto de partida – que, ao que a empresa indica, ficaria em Dubai, uma vez que a cidade tem tradição em manter as construções mais altas do mundo.

Os cientistas por trás do projeto, no entanto, admitem que ainda não temos a tecnologia necessária para colocá-lo em prática. Seria preciso investir no desenvolvimento de cabos resistentes o suficiente para suportar a estrutura e estudar como colocar o asteroide na órbita da Terra. Contudo, algumas das ideias previstas no planejamento já estão ao nosso alcance, como utilizar materiais leves e duráveis, por exemplo, fibra de carbono e alumínio, na construção da torre. Além disso, a energia viria de painéis solares instalados no espaço que ficariam constantemente em exposição ao Sol e a água seria capturada das nuvens e da chuva, circulando em um sistema semifechado.

Quanto à dificuldade de instalar tudo isso em um asteroide em movimento, os cientistas já deram os primeiros passos que podem tornar essa possibilidade realidade no futuro. Em 2016, a Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) completou com sucesso a missão Rosetta, realizando um pouso histórico da sonda no cometa 67P/ Churyumov-Gerasimenko enquanto ele seguia sua trajetória em torno do Sol. Se bem sucedida, a instalação do prédio Analemma no asteroide, como idealizaram os cientistas, poderia fazer com que a torre se movimentasse a uma velocidade de 482,8 quilômetros por hora.

De volta à terra firme

Como o arranha-céu estaria flutuando em relação ao solo, os idealizadores do projeto sugerem que drones poderiam ser usados para transportar as pessoas da torre à terra firme. Além disso, o prédio também teria elevadores para levar os habitantes a diferentes andares. O projeto da estrutura contém diversas áreas, como, por exemplo, uma parte residencial, escritórios comerciais, um jardim, um shopping e uma área de lazer.

Confira o vídeo divulgado pela Clouds Architecture Office sobre Analemma (em inglês):

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. marcelo mendes

    Muito bom! Até o dia em que o tal asteroide resolva cair na Terra. Tipo a máquina do Tempo de H.G.Wells, onde o homem paga pela sua arrogância de explodir a Lua. A Skylab e a Mir são a prova de que tudo que está em cima….cai.

    Curtir

  2. Em vez de asas, dar retrofoguetes à imaginação!

    Curtir

  3. Quanta mer… Aff

    Curtir

  4. Sonhar e’ bom ne’?

    Curtir

  5. Muitas desvantagens: sem endereço fixo; alterações na órbita para evitar os acidentes naturais, ou então altitude mínima de uns 10000m (vai que topa com o Everest); imagine para correções de órbita o tamanho do motor necessário e as consequentes vibrações; superfície enorme exposta ao vento; se passar por um furacão nem se fala; se for atingido por um meteorito, mesmo pequeno vai ser o caos; pra descer tem que programar uma viagem …. mas só de pensar na vertigem e no valor do condimínio já desanima. Então não vou comprar! Pronto!

    Curtir

  6. Cláudio Moura

    Como se bota um asteroide em órbita?

    Curtir

  7. Napoleao Gomes

    Será que vão colocar tela de proteção nas sacadas e janelas? Se não, os gatos caem!

    Curtir

  8. Roberto Michelson

    Acho muito mas seguro construir uma colônia em orbita geossíncrona não haveria limite de tamanho, poderia abrigar ate um milhão de pessoas, seria totalmente independente economicamente e politicamente como uma cidade estado e mão teria os riscos como o leitor abaixo mencionou.

    Curtir

  9. Bullshit!

    Curtir

  10. Claudio Alexandre Kruger de Araujo

    Vai ser que nem a torre de Babel.
    Tem um texto bíblico que diz:
    Se fizeres o seu ninho entre as estrelas Eu o Senhor o derribarei de lá.

    Curtir