Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Conchas e esqueletos de animais marinhos estão ficando mais leves nos polos

Resultado da acidez nos oceanos está afetando crescimento de animais em águas geladas

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h29 - Publicado em 6 ago 2012, 11h55

O processo de acidificação dos oceanos, que ocorre pela dissolução do dióxido de carbono da atmosfera nos mares, está afetando o crescimento de conchas, moluscos e outros organismos marinhos, de acordo com uma pesquisa publicada no periódico Global Change Biology.

Os pesquisadores do British Antarctic Survey (BAS) e do National Oceanography Centre (NOC), ao lado de colegas da James Austrália Cook e das universidades de Melbourne e de Cingapura, investigaram a variação natural na espessura da casca e tamanho do esqueleto em quatro tipos de criaturas marinhas: moluscos, caracóis do mar, conchas e ouriços do mar. Eles retiraram amostras de 12 ambientes diferentes, dos trópicos às regiões polares. O objetivo era verificar as semelhanças e diferenças entre as espécies, e fazer previsões sobre como estes animais poderiam responder à crescente acidez dos oceanos.

Leia também

Algas são como reservatórios de carbono no fundo do mar

Pesquisadores encontram grande quantidade de plástico no estômago de aves marinhas

ouriço

Os resultados sugerem que o aumento da acidez afeta o tamanho e o peso de conchas e esqueletos, e a tendência é generalizada entre as espécies marinhas. Estes animais são uma fonte importante de alimento para predadores como as aves marinhas tropicais, e um ingrediente valioso para a produção de alimentos humanos.

De acordo com os pesquisadores, o esforço exigido por mariscos, caracóis do mar e outros animais para extrair o carbonato de cálcio da água e construir suas conchas e esqueletos varia de lugar para lugar nos oceanos do mundo. Inúmeros fatores, incluindo a temperatura e pressão, interferem no processo. Mas a acidificação dos oceanos está tornando o carbonato de cálcio mais escasso e, assim, os animais estão desenvolvendo esqueletos e conchas mais leves – ou seja, com menos matéria prima.

De acordo com o professor Lloyd Peck, do British Antarctic Survey, este efeito tem sido mais forte em baixas temperaturas. “Os resultados mostraram que as espécies polares têm o esqueleto menor e mais leve. Isso poderá deixa-los em risco nas próximas décadas, já que o ambiente exige que os animais tenham esqueletos fortes, para protegê-los do impacto do gelo flutuante”, falou.

Continua após a publicidade
Publicidade