Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Como os astronautas fazem café expresso no espaço

Na segunda-feira, uma cafeteira pesando 20 quilos foi entregue à Estação Espacial Internacional

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h08 - Publicado em 25 nov 2014, 17h18

Na segunda-feira, a Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) foi equipada com uma máquina de café expresso. O objeto chegou a bordo de uma nave Soyuz, que levou os astronautas Terry Virts, Anton Shkaplerov e Samantha Cristoforetti para a estação. Pesando 20 quilos, a ISSpresso – nome dado à máquina – foi desenvolvida pela Lavazza Coffee e a empresa de engenharia Argotec, ambas italianas.

O item mais importante do café expresso é a pressão. De acordo com o Instituto Nacional Expresso Italiano, a água quente precisa atingir o café a uma pressão de 9 bars para que ele possa ser considerado um expresso italiano. Sem a ajuda da gravidade, porém, a tarefa fica mais complicada. A água quente e o café se transformariam em gotas e sairiam flutuando pela estação, podendo ferir os astronautas e os sensíveis equipamentos eletrônicos da ISS.

Leia mais:

Astronauta mostra o que acontece quando se torce uma toalha molhada no espaço

Astronauta relata momentos de terror que viveu durante caminhada espacial realizada em julho

Por esse motivo, todo o processo da ISSpresso é feito no interior da máquina: á água adquire calor e pressão circulando pelo equipamento e é atirada em uma cápsula de café. O resultado é bombeado para um tipo de saco plástico, de onde o astronauta bebe o café com um canudo. De acordo com o jornal The Guardian, o vice-presidente da empresa de café, Giuseppe Lavazza, garante que o gosto é exatamente igual ao dos expressos terrestres.

A Argotec trabalha neste equipamento desde 2012, quando o astronauta italiano Luca Parmitano disse, depois de apenas uma semana em órbita, que a única coisa da qual ele sentia falta era um bom expresso italiano.

Continua após a publicidade
Publicidade